Coleções dos Marajás

2 de Maio de 2017

Imerso na escuridão da noite, sob o efeito espetacular de uma chuva de estrelas cadentes, o Grand Palais, em Paris, irradia todo o esplendor das joias da época dourada da corte indiana com suas criações tão extravagantes quanto repletas de enfeites refinados, que simbolizam poder e proteção. Rios de diamantes, esmeraldas, rubis e pérolas foram usados ​​por governantes, homens e mulheres em colares com múltiplas voltas costuradas em turbantes, mantidos por pingentes, amarrados à cintura, preso aos tornozelos e decoarando dedos. Uma coleção de joias ilustres acompanhadas de impressionantes retratos ao longo da rota da exposição “Dos grandes mongóis aos marajás.”

Até 05 de junho, a mostra conta cinco séculos de história da Índia dos Mongóis e marajás e exibe cerca de 270 peças com grandes esmeraldas encravadas, incluindo, a do Imperador Mongol Shâh Jahân, que data de 1621. De fato, a Índia tem depósitos de pedras preciosas há milhares de anos e um corpo de ourives com virtuosa especialização em tamanho e friso de ouro. As maiores artes das gemologia vem, principalmente, de uma das maiores coleções de joias indianas, a do Xeique Hamad Ben ­Abdallah Al-Thani, primo do Emir do Qatar.

Amin Jaffer, co-curador da exposição e conselheiro da equipe do Xeique, fez várias visita à Índia entre 2011 e 2016. Foram essas viagens que inspiraram essa paixão e a seleção desse acervo que conta com uma indescritível variedade de bijoux, punhais, caixas, taças de vinho, pulverizadores de água de rosas, de lingueta, xadrez e muitos outros acessórios. Um mergulho num belo universo digno dos mais belos contos de fadas.

A mostra “Dos grandes mongóis aos marajás” destaca ainda a influência persa na arte indiana e pela inventividade dos artistas que irão seduzir muito além dos hindus. Os joalheiros franceses, por sua vez, serão inspirados ao longo da primeira metade do século 20 e o resultado é um broche-alfinete assinado por Cartier, em 1937, decorado em formato de olho do tigre, desenhado por um grande diamante amarelo com camadas de pó de diamantes brancos, que pode ser acoplado num turbante.

TEXTO – Chantal Manoncourt

IMAGEM © The Al Thani Collection 2013. Todos os direitos reservados. Foto: Prudence Cuming Associates Ltd

Você também pode gostar...

Para receber nossas matérias
Muito obrigado pela sua visita!
Correspondance Magazine®