Espelho, espelho meu…

7 de Setembro de 2018

Quarta geração da famosa “Maison Hurel”, o herdeiro Jacques Hurel tem no sangue a arte da criação e decidiu transformar seu know-how no mundo das joias, lançando uma bela coleção de espelhos. Esse objeto cheio de simbolismo se incorpora naturalmente à verve criativa de Hurel, conhecido internacionalmente pelos acessórios que desenhou e fabricou para os desfiles de alta costura de várias maisons francesas, como Dior, Nina Ricci, Yves Saint Laurent, Valentino, Givenchy, Christian Lacroix, Lanvin, Ungaro, Balmain, Moschino, Michel Klein ou L’Oréal sem mencionar sua clientela privada. Sua nova coleção de espelhos segue o mesmo princípio da criação de joias, com a diferença que estes podem ser expostos nas paredes ou para ornamentar um espaço, como verdadeiras esculturas decorativas.

Para conhecer essa nova faceta do talento de Jacques Hurel, Correspondance Magazine® visitou seu atelier, em Paris, para registrar para os nossos leitores as imagens de suas últimas criações. Várias peças, de tamanhos variados, se acumulavam nos salões e corredores do atelier, exercendo um certo magnetismo, tornando quase impossível resistir ao apelo de se mirar nesses reflexos, que oferece muito mais que um retorno de nossa imagem, parecem ler nossa alma. Criados como joias super-dimensionadas, os espelhos de Jacques Hurel tem formatos e formas variados, ora são curvos ou convexos, mas todos tem algo em comum: são decorados com materiais nobres e concebidos como verdadeiras joias.

Confeccionados por hábeis artesãos, esses luxuosos espelhos possuem belas dimensões que atraem imediatamente o olhar com seu jogo sutil de reflexos e podem ser encomendados de acordo com o desejo e proposta do cliente. Sobretudo, porque, para dar um status elevado a essa peça decorativa, Hurel não poupou esforços e investiu na riqueza dos detalhes e na escolha dos acessórios que os acompanham, tirando partido do seu conhecimento e vivência no mundo das joias para criar uma proposta inusitada para a decoração de interiores. O resultado é impressionante e essa coleção de espelhos imaginada por Jacques Hurel pode, de fato, ser considerada como objetos de arte decorativos, que são vendidos exclusivamente em galerias de arte, como a Artsper.

TEXTO & EDIÇÃO – Marilane Borges

IMAGEM – Christian Nouzillet em reportagem especial para Correspondance Magazine®

 

 

Você também pode gostar...

Para receber nossas matérias
Muito obrigado pela sua visita!
Correspondance Magazine®