Jaime Hayon

17 de Março de 2017

“Este tipo de material era algo completamente novo para mim e a primeira coisa que fiz foi tentar entender como ele funcionava, que tipos de técnicas são usadas para tentar moldá-lo no sentido critivo do termo e o que torna o Caesarstone especial. Mil perguntas passaram pela minha cabeça: o material pode ser cortado, é líquido, é montado em conjunto, é possível combiná-lo com outros elementos? Onde está o seu esplendor e como as pessoas o veem?”, questiona-se, Jaime Hayon. Acostumado a aceitar desafios, o designer espanhol aceitou a proposta da Caesarstone para criar a instalação “Stone Age Folk”, que será apresentada durante o Salone del Mobile, em Milão, em abril.

“Stone Age Folk” inclui sete novas peças de mobiliário talhadas em quartzo, essa pedra tradicional de alta qualidade da Caesarstone. Através da habilidade de Hayon, o quartzo foi esculpido com técnicas de marcheteria e as peças ganharam formas visuais inabituais como mais um componente excêntrico da obra de Jaime Hayon. Expostas num espaço aberto, o branco imaculado da galeria coloca em destaque os armários com rosto, em grande escala, assim como as mesas de jantar bird-like e as mesas de café em escala menor, decoradas por personagens animados ao lado de uma máscara. Cada peça foi exclusivamente projetada de forma artesanal transformando esse material, normalmente usado em superfícies de cozinha e banheiro, num mobiliário altamente decorativo fruto da imaginação de Hayon. Correspondance Magazine® conversou com o designer diretamente do seu atelier em Valença, na Espanha, que explicou as fases do seu processo criativo, como ele confrontou suas ideias e conceitos para se apropriar desse material, até então desconhecido para ele, com o intuito de criar algo “funtastico”, segundo termo usado pelo próprio Jaime Hayon.

Quanto tempo foi necessário para você planejar a instalação “Stone Age Folk”? Conte-nos um pouco sobre a pesquisa que você fez para este trabalho.

– Comecei a trabalhar nessa colaboração há cerca de um ano. Minha pesquisa inicial envolvia conhecimento, precisava aprender como usar esse material da Caesarstone, descobrir suas características, verificar seus detalhes, tocá-lo, observar seu reflexo, suas cores, enfim, me apropriar da natureza do quartzo. Era realmente importante para mim conhecê-lo para poder desenvolver meu trabalho a partir desse ponto.

Depois dessa fase inicial que envolvia avaliação e conhecimento, que tipo de ideias surgiram na sua cabeça?

– Quando recebi amostras do quartzo Caesarstone percebi que tínhamos um material completamente plano que poderia ser utilizado com criatividade. Conhecendo sua natureza, pensei que poderia desenhar uma mesa, um suporte para um gabinete, fachada arquitetural, enfim, ele se adaptaria em forma de um bloco ou peça geométrica. O quartzo criou uma regra e em seguida comecei a selecionar um tema. Foi então que pensei no folclore e na fauna e procurei imagens relacionadas sobre o assunto. Pesquisando em diferentes países o seu folclore, em busca dessa essência de diferentes culturas, peguei um tigre, uma máscara e um macaco e comecei a combiná-los. Apropriando-me do que era interessante para mim a partir desses elementos gráficos, comecei a desenhar, conectando as características dessa pedra com o tema do folclore e da fauna, a fim de dar vida a esse universo criativo.

A partir desse ponto, como sua criatividade tomou forma para compor “Stone Age Folk”?

– Parte do meu conceito está relacionado a mostrar o valor desse material. A fase de reflexão de um projeto sempre nos leva a pensar sobre o material e de que maneira ele pode ser aplicado em coisas práticas. Com o quartzo Caesarstone pensei: “esse projeto não pode ser arty tem que ir além e ser capaz de criar e executar algo que é completamente diferente”… Queria revelá-lo como um conjunto de mármore do século 21.

O que mais chamou a sua atenção nesse material em si?

– O quartzo Caesarstone é fabuloso porque é uma pedra afiada que pode ser cortada e se transformar em algo surpreendente. Com ele é possível criar contrastes não apenas com a cor mas também com texturas e os diferentes reflexos obtidos. Caesarstone tem uma gama diversificada de cores e texturas e escolhi várias combinações diferentes de pedras para mostrar sua diversidade em termos de textura, forma e coloração. O quartzo muda muito dependendo da sua granulosidade e esse um grande atributo desse elemento e um campo fértil para um criativo.

Qual a mensagem que você gostaria de passar para as pessoas com sua instalação “Stone Age Folk”?

– Queria criar algo espetacular a fim de que as pessoas se sintam participantes da minha criação e sintam que estão entrando em um mundo ‘funtastico’ e que saiam com a sensação de que viram algo completamente novo. É importante para mim que os visitantes vivenciem as formas, as cores, as sensações e possam até mesmo esquecer o material Caesarstone ou descobri-lo e ficar impressionados ao saber que toda essa instalação foi feita de pedra e que por isso é fantástica.

IMAGEM – Vicky Lam & Liah Chesnokov

Você também pode gostar...

Para receber nossas matérias
Muito obrigado pela sua visita!
Correspondance Magazine®