Museu da Faiança de Nevers

21 de Julho de 2017

Construido no lugar onde, no passado, estava instalado a antiga abadia beneditina de Notre Dame de Nevers, no número 16 de la rue Saint-Genest, o Museu da Faiança de Nevers, na região da Borgonha e Franche-Comté, teve, durante os séculos XII e XIII, vários elementos de arquitetura acoplados a sua estrutura, como a capela Saint-Michel, os arcos baixos do Norte, varandas, janelas, caixilhos, entre outros. Durante a Revolução, o convento, cuja vocação era a hospitalidade e a educação de meninas pobres, contava apenas com algumas freiras que tinham sido perseguidas. Com o passar dos anos, a propriedade foi vendida, dividida e o terreno ficou nas mãos de vários compradores, a abadia foi quase totalmente destruída e os principais espaços monásticos foram convertidos para diferentes usos.

Os edifícios e ruínas que compõem atualmente o site do Museu da Faiança de Nevers são arquitetônica e espacialmente misturados, inegavelmente um trunfo da arquitetura moderna. A riqueza do terreno é composta pelas diferentes arquiteturas que compõem o atual museu, um convite visual que estimula a curiosidade dos visitantes, que podem circular pelo prédio começando pela sala dos Verres Filés. Em seguida, pode atravessar a passarela que tem uma bela vista das abóbadas nervuradas do antigo corredor norte, e visitar os salões dos séculos XVII e XVIII que dá acesso à sala de desenhos e aquarelas na sala Solon, prosseguir pela galeria do século XIX e acessar o espaço que apresenta as peças da doação Bossuat para, finalmente, terminar o itinerário pela sala de medalhas e de faianças.

Ou se preferir, pode muito bem fazer o circuito em sentido inverso: começando com a sala das faianças e terminar pela sala dos Verres Filés. O prédio, supermoderno, se presta a um labirinto de possibilidades para a visitação, como, por exemplo, usando a escadaria central do hotel Roussignhol, o visitante tem a oportunidade de acessar diretamente a sala de interesse. Pela entrada, depois de ter passado pelos espaços da recepção e sua pequena boutique, o visitante pode acessar a antiga sala capitular e o antigo aquecedor da abadia, que estão localizados no piso térreo e que foram convertidos salas de esculturas e de exposições temporárias.

Único em sua configuração espaço-arquitetural, o Museu da Faiança de Nevers conta com várias salas distintas, que abrigam desde exposições temporárias à coleções e doações diversas, assim como as famosas peças azuis das Faïences de Nevers. No final do século XVI e início do século XVII, Nevers foi o primeiro centro oleiro francês. Sua produção vai ser marcada pela originalidade e grande desenvolvimento da faiança na França. No século XVII, a Idade de Ouro do barro de Nevers, cria uma incrível diversidade de coleções que vão das decorações em tons azuis, cenas mitológicas e bíblicas, o cenário da Ligúria, as decorações “Franco-Nivernais” com cenas pastoral, de caça, pássaros, guirlandas de flores, pergaminhos e muito mais. Essas inúmeras peças de coleção, que possuem uma abordagem abrangente, fazem uma verdadeira volta ao mundo, através dos empréstimos concedidos pelo Museu da Faiança, que conta ainda com dados arqueológicos, documentos históricos e arquivos, revelando os quatro séculos de produção da faiança de Nevers.

TEXTO & EDIÇÃO – Marilane Borges

IMAGEM – Christian Nouzillet em reportagem especial para Correspondance Magazine®

Você também pode gostar...

Para receber nossas matérias
Muito obrigado pela sua visita!
Correspondance Magazine®