Neo Rauch

1 de Fevereiro de 2018

Líder do movimento “Nova Escola de Leipzig”, grupo de artistas da pintura figurativa contemporânea, o artista Neo Rauch (1960), mostra em seu trabalho uma certa tradição ilustrativa da Alemanha Oriental, que remete a uma imagem publicitária retrô, evidenciando as marcas do simbolismo industrial do realismo socialista, através da figuração e da narrativa. Rauch, que ainda vive e trabalha em Leipzig, tem suas pinturas exibidas nas maiores coleções institucionais e privadas e é considerado um dos artistas mais importantes da sua época. Para homenagear esse talento singular, aclamado mundialmente desde a década de 1990, o Museu Fundatie, nos Países Baixos, acolhe até 03 de junho a retrospectiva “Dromos Painting 1993-2017”, que exibe 65 obras de Rauch pertencentes à coleções internacionais, tendo como referência sua primeira exposição solo na Galeria Eigen + Art, em Leipzig, em 1993, e traça meticulosamente o desenvolvimento do seu trabalho até os dias atuais. O título da mostra foi tirado de uma de suas primeiras pinturas e “Dromos” é um conceito do Egito antigo, que significa a estrada flanqueada por esfinges que levam ao templo.

Algumas das obras mais recentes tem composições suaves, quase teatrais, enquanto outras abordam uma violência, sempre presente, onde o personagem parece querer escapar da tela. Neo Rauch é poético sem ser sentimental, na verdade, suas emoções são complexas. O artista de 58 anos parece se confrontar com a realidade iconográfica pós-industrial, esbanjando nas telas silhuetas de trabalhadores que remetem ao surrealismo da propaganda soviética, contabilizando no final uma modernidade que reinvindica um certo mistério em sua pintura, a editora Hatje Kantz assina o livro-catálogo da exposição “Neo Rauch Dromos Painting 1993-2017”, compilando suas mais imoportantes telas ao longo de mais de 20 anos. Embora o artista tenha a história alemã como referência e domine a técnica acadêmica, o ponto de partida para sua inspiração vem da música que, segundo o ritmo, dita as pinceladas que marcam sua obra. O resultado  é quase palpável e pode ser percebido no trabalho de Rauch, através da mistura de cores suaves que se mesclam intencionzlmente com imagens fortes, como se o pintor obedecesse ao ritmo dos sons que o embalam, enquanto preenche as telas com cargas emocionais criando alegorias que retratam a existência humana em todas as suas facetas. Neo Rauch se vale das narrativas de sonhos como visões que guiam sua arte para se conectar com a realidade da vida de cada um de nós.

IMAGEM © Neo Rauch

Você também pode gostar...

Para receber nossas matérias
Muito obrigado pela sua visita!
Correspondance Magazine®