Picasso, González e amigos

17 de Outubro de 2017

Figura importante na criação artística do início do século XX, Julio González evoca em suas primeiras obras, figurativas, mas gradualmente o artista se volta para uma arte mais radical. Sua colaboração com Pablo Picasso, entre 1928 e 1932, realmente lançou sua obra em uma outra dimensão e contou com a ajuda do talentoso metalúrgico para transformar um design bidimensional em uma escultura metálica. González e Picasso colaboraram em uma série de esculturas de metal que agora são atribuídas apenas a Picasso. Foi graças à experiência técnica de González que Picasso chegou a novas formas de expressão. Esse foi o início de uma estreita parceria e o prolongamento de uma amizade única, onde os dois artistas trabalharam juntos em várias esculturas ao longo de um período de quatro anos.

Para ambos, essa colaboração artística foi profícua, proporcionando um grande impulso para o desenvolvimento do talento dos dois homens. Graças a González, Picasso descobriu novos modos de expressão em escultura e para González a colaboração foi a etapa final de sua jornada em direção a um estilo artístico constitutivo. O museu Gemeentemuseum Den Haag, os Países Baixos, organizou uma exposição para falar dessa inter-relação entre os dois artistas, concentrando-se sobre a temática, principalmente, do desenvolvimento da obra de González e sua trajetória de artesão a artista de vanguarda. O visitante vai poder apreciar, entre 25 de novembro de 2017 a 02 de abril de 2018, a mostra “Picasso, González e amigos”, que conta com cerca de 20 obras de Picasso que celebram a amizade entre os dois homens. A exposição também examina as amizades altamente pessoais que Julio González manteve com outros artistas, ele, por exemplo, trabalhou durante vários anos como assistente de Constantin Brancusi (1876 – 1957). Outra figura importante na sua vida foi Pablo Gargallo (1881 – 1934), que se baseou na experiência técnica de González e reconheceu seu talento artístico e encorajando-o a dedicar-se inteiramente à escultura, além de Hans Hartung (1904 – 1989), que criou sua primeira e única escultura em 1938.

O encontro dos dois aconteceu quando Picasso escolheu González para executar suas esculturas em ferro, como a “Mulher no Jardim” que data de 1929-30 e encontra-se no Museu Picasso. Desde então a mulher se torna o assunto favorito de Gonzalez, em particular, como é evidenciado por “Woman’s Hair I”, apresentado como uma peça importante da coleção e simbolizando as esculturas de ferro linear da década de 1930. A silhueta da mulher não é apenas representada pelas placas e barras de ferro mas também pelos espaços vazios que formam “movimentos do espaço”. Seguindo sua cooperação com Pablo Picasso, suas obras se tornam muito mais alegóricas no final de sua vida.

Julio González nasceu em Barcelona em 1876 numa família de ourives e recebeu treinamento como fabricante de ferro artístico, desenvolvendo objetos de arte, decorativos e joias, alguns dos quais podem ser apreciados na exposição. González exibiu seu trabalho em diferentes salões como a “Exposição Geral de Belas Artes e Indústria”, nos anos de 1892 a 1898, ao mesmo tempo que praticava a pintura e o desenho. De 1899 a 1900, González instalou-se no bairro de Montparnasse, em Paris, e se tornou amigo de Picasso, Manolo Torres-Garcia,Paco Durrio e durante um período o artista trabalhou como aprendiz de soldador nas fábricas da Renault. Foi durante esse estágio que ele descobre a técnica de soldagem autógena, na qual cria suas primeiras esculturas de ferro, em particular um Crucifixo.

O conceito-chave da escultura de Julio González que evoca os “desenhos no espaço” são descritos poeticamente pelo artista, em suas palavras, assim: “Existe apenas um pináculo da catedral que pode nos apontar para um ponto no céu, onde nossa alma permanece em suspenso! Como a noite, quando, com ansiedade, as estrelas nos contam pontos no céu, esta flecha imóvel também nos aponta um número infinito. São esses pontos no infinito que foram os indicadores desta nova arte de desenhos no espaço” (Julio González , Picasso e as catedrais, 1931-1932).

Você também pode gostar...

Para receber nossas matérias
Muito obrigado pela sua visita!
Correspondance Magazine®