Charlotte Perriand

9 de Outubro de 2019

No cartaz da exposição “O novo mundo de Charlotte Perriand 1903 – 1999”, ela aparece de costas vestida apenas com uma calça escura e um colar de pérolas, em frente às montanhas geladas dos Alpes, segurando suas luvas de esqui na mão, de braços erguidos como se bradasse vitória, essa imagem traduz sua rebeldia insolente e toda a pulsão do seu talento. Homenageada até 24 de Fevereiro de 2020 na Fundação Louis Vuitton, em Paris, a exposição “O novo mundo de Charlotte Perriand 1903 – 1999” traz à tona a força de uma mulher que deixou sua referência criativa em vários domínios e contribuiu para criar a reputação da marca italiana Cassina.

Apresentando uma ampla variedade de trabalhos de artistas conhecidos e contemporâneos de Perriand, a mostra faz jus ao espírito dinâmico dessa mulher artista, que tinha total controle da sua imagem feminina na fotografia, no design, na arte e na arquitetura. Charlotte Perriand fez do seu trabalho uma investigação coletiva com seus amigos artistas, entre os quais, Picasso, Calder, Léger, Miró, Braque, analisando as representações visuais e culturais da sociedade numa perspectiva inovadora para a época, explorando sua vanguarda feminista para enfatizar o papel que as mulheres tiveram nas últimas décadas. Os artistas contemporâneos de Perriand compartilhavam uma certa consciência coletiva que reavaliava e até rejeitava o que tinha vindo antes, voltando-se para novas formas de expressão nos campos da arte, da fotografia, escultura, arquitetura e mobiliário. Por isso, eles são considerados modernistas. Charlotte Perriand foi além desse conceito. Ela se tornou uma das pioneiras no design de mobiliário e na arquitetura francesa.

Amiga e colaboradora de Le Corbusier em seus tempos áureos, em 1920 ela conquistou a confiança do arquiteto tão lendário quanto misógino. Atraído pelo mobiliário criado por Charlotte Perriand, o arquiteto a convidou para ser sua sócia e dividir com ele alguns projetos de arquitetura de interiores. A partir de 1927, em parceria com Pierre Jeanneret, uma série de cadeiras de metal tubular e couro nasceram para se tornar ícones do design internacional. No mesmo ano, Umberto Cesare Cassina e seu irmão, filho e neto dos artesãos de móveis em Meda, perto de Milão, se envolveram na fabricação de móveis para o pequeno mercado local. A união entre a designer e a empresa aconteceu mais tarde, após 1964, quando Le Corbusier escolhe Cassina para difundir no mundo suas famosas criações e, por conseguinte, as peças criadas pela designer. O sucesso da operação foi imediato.

De 1930 a 1960, o fabricante lançou seu mobiliário, onde ela criou novas peças sempre com uma pitada de vanguarda, sobretudo, sob influências que trouxe do longo periodo em que esteve no Japão. A marca italiana é reputada por apoiar o talento de novos designers que, uma vez escolhidos, recebem carta branca para testar suas ideias como bem lhes parecer. Charlotte Perriand trabalhou com Cassina até sua morte em 1999. No caso de Charlotte Perriand, seu espírito visionário continua a se renovar com Cassina através da colaboração de sua filha, Pernette Perriand-Barsac.

EDIÇÃO DE TEXTO – Marilane Borges

IMAGEM – Todos os direitos reservados © F.L.C. / Adagp, Paris © AChP “Charlotte Perriand en montagne vers 1930” © Vitra Design Museum © Collection Laurence & Patrick Seguin © Adagp Paris 2019 © Galerie Patrick Seguin © Adagp, Paris 2019 © Centre Pompidou © AChP

 

Você também pode gostar...

Para receber nossas matérias
Muito obrigado pela sua visita!
Correspondance Magazine®