Desenhando o próprio destino

30 de maio de 2022

A Fondation François Schneider anunciou os vencedores da 11ª edição do “Talents Contemporains”, em torno do tema da água.

Marie-Anita Gaube, que apresentou uma pintura com toques surreais intitulada Não pode fugir de si mesmo; M’hammed Kilito, cujo políptico de fotografias Hooked to paradise aborda os desafios da degradação dos oásis no Marrocos, são os vencedores desta edição.

Eva Medin, por sua “fábula coreográfica” intitulada L’Europe après la pluie, inspirada no livro de ficção científica de Philippe Curval e uma pintura de Max Ernst; e Sarah Ritter, por sua série de 20 fotografias, Les vagues scélérates, que trata do comportamento da água e da luz.

 

Karine Rougier, representada pela galeria “espace à vendre”, nasceu em 1982, vive e trabalha em Marselha, é a ganhadora do Prix Drawing Now. Seus desenhos reinventam uma natureza onde formas humanas se misturam com formas animais, onde corpos e poderes invisíveis se unem no mesmo abraço.

Suas aquarelas sobre papel passam sobre as formas e, como uma maré vazante, deixam para trás apenas alguns detalhes, algumas linhas. Atravessadas por um poderoso ímpeto vital, suas composições são fruto de um olhar emancipado que infunde nos corpos desejo e poder.

Clédia Fourniau nasceu em 1992 em Paris, formou-se na Beaux-Arts de Paris em 2021 onde treinou no estúdio de Tatiana Trouvé. Fourniau, vendedora do Prix Sisley Beaux Arts de Paris, vê sua obra “como uma arqueologia da camada colorida, da transparência e da luz, onde a pintura questiona a relação entre o corpo e o espaço”.

As obras criadas em série são feitas de resina de poliuretano colorida pela artista e soluções aquosas coloridas. Os objetos-pintura ganham vida na luz, refletindo de volta e deixando o espectador explorar a obra e sua percepção no espaço.

Emma Picard, representada pela Galeria Dupré & Dupré (Béziers e Paris), foi a vencedora do prêmio DDESSINPARIS/Institut Français de Saint-Louis du Sénégal. Picard formou-se em marcenaria e escultura e agora segue um trabalho plástico mais conceitual.

Na última edição do DDESSINPARIS ela apresentou a série Playboys. Inspirada nas edições da Playboy Magazine impressas em braile pela National Library em Washington para garantir a igualdade entre os cidadãos. A artista questiona, em suas criações, a noção de percepção e a discrepância entre palavras e imagens, a objetividade e a universalidade do desejo na transcrição dessa percepção.

 

Reportagem Especial Correspondance Magazine®

IMAGEM – Cortesia dos artistas e instituições © Marie-Anita Gaube, Can’t run away from yourself, 2020, acrylic and oil on canvas © Marie-Anita Gaube/Adagp, Paris 2022 © Karine Rougier, Flux, watercolor on paper, 56 x 76 cm, 2022 © Karine Rougier © Clédia Fourniau, Série 195/130-HV, acrylic ink, dye and resin on canvas, 195 x 130 cm, 2019-2021 © Romain Darnaud © Emma Picard, Livia, 2022. Graphite ink on paper, 27x38cm © Dupré & Dupré Gallery © Todos os direitos reservados

Você também pode gostar...

Para receber nossas matérias
Muito obrigado pela sua visita!
Correspondance Magazine®