May & Axel Vervoordt

9 de março de 2021

Era uma vez na Bélgica, às margens do rio Escalda, onde fica a histórica cidade de Antuérpia, um menino gostava de antiguidades. Ele gostou tanto que durante uma primeira viagem sozinho à Inglaterra na década de 1960, quando era adolescente, voltou para casa com os braços cheios de prata, antiguidades e móveis, que sua mãe o ajudou a vender para as amigas. Um menino com talento e um talento inato, a quem especialistas “compartilharam alegremente os segredos de seu ofício porque eu era jovem e curioso”. Esta é a história de Axel Vervoordt, designer de interiores e antiquário e negociante de arte, cujo talento pode ser apreciado apenas citando alguns de seus clientes: Robert de Niro, Kanye West e Kim Kardashian-West, Sting ou Calvin Klein.

Um homem agora à frente de uma sólida empresa familiar. Trabalhando lado a lado com sua esposa May por 50 anos, e junto com seus dois filhos, Boris e Dick, nos últimos 20 anos), Vervoordt emprega uma equipe de cerca de 100 pessoas em sua prática de design de interiores, enquanto também administra uma fundação privada, negócios imobiliários e galerias de arte em sua cidade natal de Antuérpia, bem como em Hong Kong. Se classificar Vervoordt pode ser bastante desafiador (já que sua experiência cobre uma ampla gama de campos), pode ser mais fácil apreciar seu trabalho amplamente documentado: uma linguagem visual fortemente poética que combina arte, design, arquitetura, história e filosofia em uma alquimia harmoniosa.

Quando falamos sobre linguagem, falamos sobre contar histórias, que é provavelmente a melhor maneira de descrever este elegante cavalheiro empresário: um contador de histórias. Axel Vervoordt conta histórias usando uma paleta sensível de meios para compartilhar sua visão de vida onde a filosofia desempenha um papel constitutivo. Seu livro Wabi Inspirations de 2010, considerado um elemento básico do design de interiores, mergulha em sua identidade visual. Juntamente com o colaborador de longa data Tatsuro Miki, ele revela a maneira como assimila e traduz a antiga filosofia wabi-sabi japonesa que está no centro de sua narrativa.

“Wabi deriva da simplicidade e autenticidade. Valoriza a beleza da imperfeição, mas meu pai sempre se interessou em buscar expressões não dogmáticas dessa filosofia. Trata-se de misturar ideias orientais e ocidentais de uma forma bastante ‘livre’, reinterpretando a estética Zen tradicional, mas deixando para trás seu formalismo”, acrescenta seu filho Boris Vervoordt. Elegância em materiais naturais, nobreza sem sofisticação e atemporalidade com tradição são os pilares da linguagem de Vervoordt.

Essa linguagem Vervoordt também a expande por meio de seus projetos de interiores. Arquitetura para ele tem muito a ver com proporções e diálogo, sua narrativa unindo opostos: moderno e clássico, novo e velho, claro e escuro, rústico e confortável. Um diálogo que está enraizado no estilo de vida de Axel e May: o casal sempre viveu rodeado de arte, antiguidades, móveis e objetos que eles misturam, criando uma conversa interessante, não dogmática e aberta entre os elementos.

“Desde os anos 1970, quando meus pais construíram seus negócios na Antuérpia, suas escolhas foram guiadas pela intuição, beleza, harmonia, mas acima de tudo pela descoberta. Nosso objetivo é descobrir a beleza e a harmonia em nossas vidas e ajudamos os outros a fazer o mesmo”, acrescenta Boris. E qual a melhor maneira de contar histórias do que convidar as pessoas para casa? Em 1984, Vervoordt adquiriu o Castelo de Gravenwezel, com suas raízes medievais, nos arredores de Antuérpia.

Depois de uma reforma de dois anos, a família e os escritórios se mudaram para lá para viver mais perto da natureza e poder receber amigos e clientes. A ideia provou ser uma tela ideal para Axel e May expressar a essência da atmosfera Vervoordt: paredes de gesso e cal impregnadas de pigmentos terrosos, lençóis lavados em tons suaves, longas mesas de madeira e mesas baixas de pedra, objetos antigos conversando com a arte contemporânea e a simplicidade encontrando uma calma sofisticação.

“Respeitamos a arquitetura centenária, mas gostamos de criar um espaço essencial para a arte contemporânea”, diz Boris. “Ao longo de cada mudança no castelo, queríamos construir um ambiente acessível e acolhedor, que fosse livre de ostentação e se conectasse com a natureza. Tudo o que escolhemos para nos cercar adiciona uma dimensão extra às qualidades universais da vida. Nesse sentido, permitimos que o castelo mostrasse a sua idade, permitindo que o processo de transformação estivesse no centro da sua expressão. Na minha opinião, é disso que se trata o wabi: um sentimento que faz você entender e perceber que um objeto teve uma vida interessante.”

Como qualquer bom contador de histórias, Axel Vervoordt também sabe ouvir. Ouvir as histórias de outras pessoas, desenterrando conexões inesperadas que ainda não foram reveladas ou articuladas. É nesse contexto que reside seu gênio agudo: absorvendo as histórias de seus clientes e desenvolvendo junto com eles uma narrativa poética que revela seus gostos, ideias, perspectivas e conexão com o mundo – como uma casa deve ser, mais do que qualquer coisa, uma expressão pessoal da alma do seu proprietário.

Reportagem Especial Correspondance Magazine®

IMAGEM – Cortesia da fotógrafa Mariluz Vidal © Todos os direitos reservados

 

Você também pode gostar...

Para receber nossas matérias
Muito obrigado pela sua visita!
Correspondance Magazine®