Peças simbólicas

9 de Outubro de 2019

Com um vasto histórico como arquiteta Yoon Young Hur decidiu, depois de deliberar por muito tempo, que sua carreira e seu emprego das nove às cinco deveria ser deixado para trás a fim que ela pudesse se dedicar especialmente à cerâmica. “Trabalhei como colaboradora para algumas pessoas aqui e ali, mas diria que meu tempo tem se dedicado principalmente à cerâmica nos últimos anos.” Yoon Young Hur cursou a escola de arte como estudante de graduação em Chicago e estudou arquitetura na Cooper Union, em Nova York. Depois de ter se formado trabalhou como arquiteta por vários anos mas decidiu abandonar tudo para se dedicar exclusivamente à cerâmica. Vivendo atualmente entre Seul e Nova York, Yoon Young Hur afirma que sua prática inclui coleções inspiradas na herança asiática, como “Antecedere” e outras que são livres desse tipo de conteúdo cultural. “O primeiro é mais investigativo e baseado em pesquisa, enquanto o segundo é mais expressivo da materialidade e do jogo entre cor e forma”, conceitua a artista. “Aprecio muito essa dicotomia e quero continuar desenvolvendo meu trabalho nas duas direções – talvez elas se fundam um dia ou talvez não. Mas esse equilíbrio entre os dois é muito enriquecedor. O conteúdo da Coréia também é interessante para mim – os elementos dos quais estou tentando extrair e o ato de descobrir como posso levá-los a um ponto acessível ou que conta uma história.” Dois lugares, dois estúdios, duas culturas diferentes e uma educação americana, essa é a perspectiva criativa dessa artista que se sente cad avez mais atraída pela sua herança coreana. “Sobre a qual ainda estou aprendendo, apesar de ser familiar de certa forma, mas há um vasto conjunto de coisas que ainda não conheço.”

Por que cerâmica especificamente?

– Há muitas razões! Mas o material falou muito, intuitivamente comigo. Como estudante de arte, lidei com diferentes mídias, incluindo vídeo e têxteis, mas, curiosamente, na verdade, não fiz nenhum trabalho de cerâmica. Então, quando entrei em contato com a fabricação real de cerâmica, algo que é poderoso e que não consigo descrever em palavras, me atingiu no coração. E então pensei: ‘Ok, isso está falando algo para mim, e preciso desvendar ou segui-lo – e deixar o meu emprego’. Demorei mais de um ano para decidir, porque gostava de trabalhar como arquiteto e havia aspectos que me levavam à continuar na área.

Como você se entregou a todo esse processo?

– Descobri cerâmica enquanto trabalhava como arquiteta e me tornei uma ceramista de meio período. Estava tentando fazer malabarismos com ambos, mas cheguei a um ponto em que pensei que realmente precisava pegá-la e empurrá-la para um novo nível. E essa foi a parte mais emocionante, que me levou a voltar para a Coréia, onde minha família está. Fiz cerâmica por dez meses em Seul, e naquela época esse processo se reconfirmou em mim, porque ainda tinha uma espécie de mente dividida, mas minha conexão com a cerâmica se tornava cada vez mais forte à medida que a praticava. A arquitetura ainda faz parte da minha visão, mas acho que no momento estou muito focada em fazer cerâmica, e na materialidade dela, e em aprender sobre sua história.

É o imediatismo da fabricação da cerâmica, diferentemente da arquitetura, que atrai você?

– Esse é um bom ponto – diria que a formação ou o resultado imediato realmente me alimenta, e não entendi isso muito bem na arquitetura, para ser sincera. Minha educação arquitetônica é uma grande parte da minha prática criativa, e sou constantemente inspirada pela arquitetura, mas como designer, esse tipo de atraso ou lead time era difícil, porque, para minha personalidade, gosto de feedback de uma maneira mais direta. A cerâmica não passa por uma série de interações ou contratados – é mais pura para mim, mais direta e simples. Então, existe um tipo de autonomia e controle, mas também surpresas – essa é outra razão pela qual amo cerâmica, porque há um ponto em que está além do meu controle, e eu amo isso.

Você projeta sua peças em papel e caneta? Ou apenas imagina e começa a criar para ver vê o que vai dar?

– Na verdade, é tudo o que precede, mas predominantemente é o que está sendo feito. Faço esboços ásperos, olho para referências. Às vezes, eu os imagino no metrô – fecho os olhos e os giro na cabeça porque o 3D também é uma parte agradável. Mas, novamente, na evolução disso, o momento definitivo final está sendo feito. E, mais uma vez, esse é o aspecto que está além do que eu esperava e essa é a beleza da cerâmica versus a arquitetura. Na arquitetura, não há muito espaço para abraçar as surpresas por causa da logística. Acredito que não estava cem por cento me sentindo criativo como arquiteta, porque de alguma maneira não podia contribuir para o meu próprio crescimento pessoal como pensador criativo.

Fale-nos um pouco sobre essa coleção baseada em “togi”.

– “Togi” é um nome coreano para louça de barro, de fogo baixo – é a forma mais antiga de cerâmica, que data de cerca de dois mil anos atrás. Você pode ver isso em outras civilizações também. Não há esmalte, é apenas terra – os esmaltes não haviam sido inventados até então, e os fornos não eram sofisticados o suficiente para dispará-los, por isso são bastante frágeis e rudimentares. Fui atraída por essa técnica porque são mais do que apenas vasos; existem mais formas esculturais simbólicas, muito artísticas e criativas. Também tem histórias, existem figuras e motivos que permitem interpretá-los e imaginar como eles lidavam com seus ancestrais e a ritualização da morte através de formas esculturais.

Você quer dizer motivos na forma ou motivos decorativos, ou ambos?

– Ambos, mas principalmente a forma – por exemplo, existem muitos motivos de pássaros. Criei uma série de vasos de pássaros, a partir de referências que interpretei. Havia vasos em forma de pássaro encontrados nos cemitérios, e os estudiosos afirmam que eles provavelmente mantinham líquidos para eventos cerimoniais antes de uma morte ou para serem utilizados em um funeral. Para minhas inspirações especificamente, tenho certeza que, se continuar pesquisando, encontrarei mais pistas, mas são fragmentos, são especulações. Ainda não sei se eles foram usados ​​apenas para enterros, ou para casamentos, e assim por diante, porque na verdade não há muitos escritos em inglês e esse é um outro tópico.

Então essas peças tem um propósito prático e um propósito simbólico.

– Sim, e o pássaro pode significar muitas coisas. Mas na Coréia, os pássaros representam boa sorte, viagens seguras, bom espírito – coisas muito positivas. Há alguma sobreposição com a China, porque compartilhamos partes de nossas culturas, e os pássaros são comuns, não apenas relacionados a enterros, mas também em casamentos, para o bem e para a boa sorte.

Uma forma tão simples – essencialmente apenas uma curva.

– É, mas se você for para a Coréia agora, verá formas de pássaros que são tão literais – elas têm todas as decorações, são perfeitamente proporcionais. Pareciam um pato de verdade, por exemplo, mas esculpido em madeira. Essas são as coisas com as quais estava acostumada a ver quando crescia, as formas são muito literais. Mas então vejo os antigos, e há uma abstração, há um gesto muito simples e cru, quase contemporâneo. Foi essa pesquisa que me incitou a fazer essas peças para a coleção.

A arquitetura antiga também era frequentemente simbólica – tornou-se mais literal e baseada no uso ao longo dos séculos.

– Sim. Na cerâmica, as pessoas começaram a desenvolver mais técnicas, mais esmaltes, mais ferramentas – tornou-se mais refinado, eu também procurei nesses períodos outros projetos. Mas para mim, é importante voltar o mais longe possível.

Por que isso? Existe algum tipo de essencialismo?

– Para mim, a cerâmica deve ser mais crua porque oferece mais, em termos de imaginação, como histórias. Fazer cerâmica não é um fato absoluto – você recebe essas pequenas descrições do que elas poderiam ser, mas são apenas especulações. E essas são realmente muito secas, então para mim, é uma oportunidade de fazer minha própria leitura, fazer minhas próprias associações e trazê-la para uma luz diferente, para imaginar a cultura que está associada a isso. É como uma porta de entrada para se envolver com a civilização antiga como uma fonte ativa e aberta para interpretação. Esse ato traz conexão com o presente e nos permite refletir sobre o tempo, o ritual e o objeto em si. É cultural e universal, se realmente aprofundarmos o assunto. A civilização e a cerâmica antigas são inseparáveis ​​- a última era um elemento essencial na vida cotidiana e nas artes superiores.

Você acredita que não está apenas repetindo essas fórmulas do passado?

– Eles são minha própria interpretação, definitivamente inspirados no passado, mas não são como uma réplica literal. Por exemplo, essas peças côncavas são minhas próprias interpretações de um vaso que pode transmitir o conceito de tempo e, de certa forma, manter o espírito. Como a função importante das versões antigas era armazenar água ou comida, mas para mim, não se trata mais de comida e água – a função é irrelevante de certa forma. Tenho que me perguntar ao fabricar uma peça, qual é sua referência conceitual, o que posso enfatizar para falar sobre a ideia de conter uma oferenda que não seja comida ou bebida? Minha proposta é tentar comunicar essa ideia de manter sua oferta em outra dimensão, sejam elas ancestrais ou em homenagem aos deuses da natureza.

O ângulo sugere oferta e abertura – se fosse uma tigela vertical, você não conseguiria vê-la.

– É uma evolução. Normalmente, tem que ser completamente vertical para poder ser segurada. Mas quero me libertar do aspecto literal e funcional de peça e capturar uma sensação de acolhimento, de puxar e empurrar.

Então, se você está dando um resumo criativo para isso, será que está tentando entendê-lo fazendo uma interpretação, quase como um projeto de investigação com um projeto interpretativo que faz parte dessa investigação ?

– Diria que é um estudo de certa forma. É a minha maneira de me envolver com a história e descobrir como comunicar isso para um público diferente que não é coreano ou asiático, ou alguém que não esteja familiarizado com obras primitivas. Está em andamento, e criei peças mais relevantes, chamadas “Jaegi” – pedestais baixos, nos quais são colocadas ofertas de espíritos ancestrais. Haveria, digamos, vinte dessas pequenas plataformas onde diferentes tipos de comida eram colocados como uma oferenda aos seus antepassados. Portanto, qualquer tipo de peça escultural não é realmente relevante para as formas atuais de rituais e oferendas. O barro para a peça Jaegi é de Seul. É uma diferença sutil, mas para mim é importante que a matéria-prima seja local e específica para agregar valor ao tipo de trabalho que crio. Não gostaria de criar uma peça semelhante que fiz na Coréia nos Estado Unidos, ou vice-versa.

Qual a diferença no material?

– Existem diferentes corpos de argila – minerais diferentes criam tipos diferentes de textura e resistência, e para o meu trabalho em Nova York uso um tipo diferente que me oferece resultados variados. Existem diferentes qualidades e caracteres – por exemplo, essa argila tem muitas partículas de pedra grandes, o que significa que há mais força, portanto, é muito bom criar formas livres como essa, enquanto a porcelana é feita de partículas muito finas, então não tem força para se sustentar quando está secando. Talvez haja alguns artistas fazendo isso, mas peças grandes tendem a ser mais inconsistentes em porcelana.

Você mora em Seul e Nova York. Onde você passa a maior parte do seu tempo?

– Nos últimos anos, uma grande parte do meu tempo foi gasta em Nova York, entre dez meses em Seul e seis meses em Nova York e vice-versa – esses foram os últimos anos. Estou tentando ver até onde posso levar isso ou quão sustentável esse estilo de vida pode ser. Acho que há algo muito interessante em trabalhar em um ambiente diferente, em uma comunidade diferente com diferentes tipos de companheiros oleiros próximos e usufruir de diferentes espaços para trabalhar. Na Coréia, me concentro muito mais na técnica e em apenas uma ou duas argilas, por isso o trabalho é muito focado, e aqui em Nova York compro diferentes argilas, experimento coisas diferentes e me inspiro nos meus colegas de estúdio.

REPORTAGEM – Philip Annetta

IMAGEM – Sharon Radisch

PORTRAIT de Yoon Young Hur por Inki Kang

 

Você também pode gostar...

Para receber nossas matérias
Muito obrigado pela sua visita!
Correspondance Magazine®