Antiguidades com estilo

4 de Dezembro de 2019

Tara Shaw manteve-se fiel à sua cidade natal, Louisiana, há muito tempo se tornando uma das principais luzes de design de Nova Orleans, mas ela simplesmente não pode ficar longe da Europa. Nos últimos 25 anos, ela fez inúmeras viagens continentais em busca de tesouros para seus negócios de antiguidades e design de interiores e para inspirar sua linha de móveis de reprodução. É em lojas escondidas na França, Itália e Suécia que ela treinou os olhos. “Essa é a melhor caça ao tesouro”, diz ela. “É antiguidades de guerrilha. Agora posso ver uma peça antiga a 100 passos no escuro. ”

Você pode até dizer que Tara encontrou uma maneira de viver na Europa no meio do distrito de Uptown de Nova Orleans. Em 2004, ela encontrou uma casa em um estilo incomum para a cidade do sul – ela tem uma aparência de Haussmann, com uma fachada severa e estuque de ripas à mão. Foi, de fato, projetado pelo arquiteto Barry Fox e modelado a partir de uma casa que o proprietário original havia visto na França. Tara comprou no momento em que entrou no mercado e agora considera seu bolso da cidade perto de Audubon Park sua própria pequena vila européia. “Posso andar em qualquer lugar que eu precisar e vejo todos que conheço na Langenstein’s, a mercearia local, às 5 horas.”

Dentro da sua casa, Tara estabeleceu um tom que é igual e fácil. Ao usar uma paleta que se tornou o sinônimo de chique moderno – uma variedade de tons neutros em camadas -, ela fez sua coleção de sumptuosos móveis clássicos parecer tão desenvolta e atual quanto possível. Essa paleta tem outro objetivo além da modernização de peças históricas: relaxamento. “Eu queria cores serenas”, explica ela. “Depois de manipular tantas coisas o dia todo, não quero ser estimulada quando entrar pela porta da minha casa.” Admire esta casa de tirar o fôlego em Nova Orleans, onde Tara mora com o marido e seu querido whippet, e pegue as dicas bem afiadas da designer sobre como viver com antiguidades.

Como ter pouco estresse ao viver com antiguidades

Tara não pensa em viver com antiguidades, da cama aos pratos. Além da beleza de sua coleção, ela adora o visual único que as antiguidades trazem para uma casa. “Você não quer que sua casa se pareça com a de outra pessoa”, diz ela, “e não há como contornar isso, a menos que você use peças únicas.” Dito isto, ela é a primeira a dizer para não ficar preocupada demais com coisas velhas. Aqui, algumas de suas sugestões para sentir menos estresse – e se divertir mais – com antiguidades.

“Lembre-se, essas peças antiga viram tudo”, é isso que Tara diz a seus clientes: “Se uma peça sobreviver por 100 ou 200 anos, que dano você realmente pode causar?” As peças antigas são geralmente mais duráveis ​​do que as peças feitas hoje, o que ela considera uma boa razão para não se sentir intimidado por elas. “Na verdade, sinto maior liberdade com uma antiguidade, porque já foi respeitada por outras pessoas”, diz ela.

Se você ama algo, não hesite, como Tara nos lembra, a produção em massa não existia até Louis-Philippe, ou seja, em meados do século XIX, então, qualquer coisa anterior a isso será única. Como resultado, ela diz, “se você não se agarrar à algo que ama, poderá perder essa oportunidade para sempre.”

Não há problema em torná-los seus. Tara é fã de estofar uma antiguidade com um tecido novo para parecer que é uma parte útil do interior, e não atrás de uma corda de veludo. Ou ela redireciona um objeto, como a argamassa italiana que ela instalou como pia do banheiro, para dar uma nova vida. Qualquer que seja a história de uma peça, ela é sua agora, então faça com que funcione em seu mundo. Como ela diz: “Não há tabus!”

REPORTAGEM – Cate Summers  IMAGEM – Paul Costello

Você também pode gostar...

Para receber nossas matérias
Muito obrigado pela sua visita!
Correspondance Magazine®