Explosão de cores

22 de Novembro de 2019

“As cores tem uma quantidade substancial de influência em nossos sentimentos,” filosofa o fotógrafo ganês Derrick Ofosu Boateng. Anos atrás ele pegou um telefone e começou a tirar fotos para capturar cenas cotidianas que aconteciam ao seu redor. Colocando essa prática em perspectiva, ele desenvolveu seu ofício, aperfeiçoou sua composição e acumulou seguidores devotos nas mídias sociais. Apesar de tudo isso, Derrick Ofosu Boateng não tem intenção de deixar as câmeras do telefone para trás. Alex Kahl falou com ele sobre seu processo, seu amor pela cor e seu desejo de iluminar a poesia de Gana.

Este poema, intitulado Torture In My Mind, foi postado pelo fotógrafo ganês Derrick Ofosu Boateng sob uma de suas fotos no Instagram.

“Cheio de tantas incertezas, meus pensamentos continuam mudando a cada dia.

Triângulos virados de cabeça para baixo na minha cabeça.

Sinto-me tão inseguro quanto à minha imaginação.

Convencido a morrer e convencido a ficar ao mesmo tempo.

Incertezas e problemas cotidianos, se não tivesse encontrado pessoas boas ao meu redor que me permitiram uma paz de espírito, não estaria em nenhum lugar…”

Essas histórias em miniatura nos dão uma visão do processo de pensamento Derrick Ofosu Boateng para cada imagem e sempre são uma surpresa bem-vinda enquanto você percorre o trabalho dele. O que é mais surpreendente nas imagens, porém, é que elas são fotografadas em um iPhone. Depois de tirar as fotos, Derrick usa o Photoshop para adicionar cores intensas e vibrantes a cada uma delas, geralmente tonalidades encontradas na bandeira de Gana. Nas imagens, homens e mulheres seguram comida e bebem ou seguram objetos do cotidiano, de jornais a copos, olhando para o céu em cenários de amarelos brilhantes. As crianças brincam submersas no mar, a água aparece em verdes profundos e vermelhos. Com esse uso de cores, Derrick outrapassa uma linha entre a fotografia e a pintura, e os resultados são cativantes.

Quando criança, Derrick Ofosu Boateng não considerou se dedicar à fotografia, pois a prática não era respeitada em sua comunidade. No início, ele tirava fotos casualmente com seu telefone celular e as publicava no Instagram, mas quando começou a receber muitos comentários em suas postagens e percebeu que estava envolvido em alguma coisa, começou a usar o iPhone de seu pai. “Adorei que as pessoas começassem a encontrar interesse no que eu estava fazendo e comecei a desenvolver o que estava criando”, diz ele. Muitos de nós consideram que tirar fotos em um telefone limita, e é até frustrante, mas não Derrick. Ele não sente que isso o impede de criar, alegando orgulhosamente que, mesmo que lhe oferecessem uma câmera, ele continuaria o caminho que está seguindo. “A câmera pode ter mais limitações com seu tamanho e peso”, diz ele. “É muito fácil e rápido criar fotos com o telefone.”

Derrick cria em sua mente um conceito premeditado para cada imagem, algum tipo de composição que aparece em sua cabeça. Algumas fotos são tiradas por impulso, mas a maioria é lindamente montada. Se a idéia é um layout simétrico de pessoas olhando na mesma direção e segurando o mesmo objeto ou uma única pessoa encarando diretamente a lente, ele pensa nela antes de procurar os assuntos, principalmente pessoas que ele conhece, que melhor se adaptam à ideias dessas imagens. Depois de tirar as fotos, ele se senta em silêncio e as edita. Este é o estágio em que as fotos se tornam vibrantes. “As cores das minhas fotos me permitem mais espaço para a criatividade e elas exercem uma quantidade substancial de influência sobre nossos sentimentos”, diz ele. “Elas me permitem retratar a beleza sobre a realidade.”

TEXTO – Alex Kahl

IMAGEM – Cortesia do fotógrafo © Derrick Ofosu Boateng © Todos os direitos reservados

Você também pode gostar...

Para receber nossas matérias
Muito obrigado pela sua visita!
Correspondance Magazine®