Hella Jongerius

15 de julho de 2021

Nas úlimas três décadas, a artista e designer industrial Hella Jongerius se envolveu com temas como inovação sustentável e produção responsável. Jongerius tem um currículo de clientes que vai do Museu Vitra às linhas aéreas KLM e às Nações Unidas. Seu trabalho é prolífico e consta nas coleções permanentes no MoMA de Nova York, no Centre Pompidou, em Paris, no Victoria and Albert Museum em Londres e no Stedelijk Museum, em Amsterdã. Treinada como designer industrial, a filosofia voltada para a pesquisa de Jongerius levanta questões como: Como podemos projetar um futuro sustentável por meio do artesanato tradicional? Com foco nos aspectos culturais, econômicos, técnicos e filosóficos dos têxteis e da tecelagem, suas instalações privilegiam os processos em detrimento dos resultados.

Sua nova exposição individual Woven Cosmos tem curadoria de Stephanie Rosenthal com Clara Meister e ficará em cartaz até 5 de setembro de 2021 no Museu Gropius Bau em Berlim. O show demonstra sua abordagem focada no processo com uma instalação ativada pelo usuário. O Gropius Bau já foi um museu e Escola de Artes Decorativas e um espaço onde diferentes disciplinas se juntaram, tornando-o um local apropriado para a mostra. Jongerius não apenas desenhou a história da galeria, mas trouxe a equipe por trás do seu estúdio de design, Jongeriuslab com sede em Berlim, para o espaço para trabalhar no local durante os meses que antecederam a exposição.

No centro do trabalho de Jongerius está a ligação entre o artesanato e a indústria. Sua pesquisa em tecnologias culturais antigas, como a tecelagem, lança luz sobre os dilemas atuais relacionados à sustentabilidade. Com base em 25 anos de trabalho com têxteis, a Woven Cosmos está enraizada na filosofia original da Jongerius que abrange design, sustentabilidade e espiritualismo. Por meio de sua pesquisa aberta no local, Jongerius nos pede para reconsiderar como nos relacionamos com os objetos, com nosso mundo e uns com os outros.

“Através do Woven Cosmos procuro compreender o significado cultural da tecelagem para além dos materiais e da técnica. Isso também está profundamente ligado aos desafios do nosso tempo: questões de sustentabilidade, responsabilidade social e espiritualidade. Por exemplo: qual pode ser a função de cura dos objetos?” disse Jongerius. Woven Cosmos é composto por várias instalações que preenchem as salas do Gropius Bau, incluindo um tear para tecelagem tridimensional, um método sinérgico para a fiação de fibrass e estruturas tecidas propostas como elementos arquitetônicos. O Jongeriuslab estará trabalhando nas salas de exibição todos os dias, adicionando uma camada interativa dos bastidores à ativação de novas formas têxteis.

Reportagem Especial Correspondance Magazine®

IMAGEM – Cortesia do Jongerius Lab, Berlim © Todos os direitos reservados

Você também pode gostar...

Para receber nossas matérias
Muito obrigado pela sua visita!
Correspondance Magazine®