Linguagem de design

16 de novembro de 2021

Um dos nomes mais influentes da atualidade no design contemporâneo, Faye Toogood, não seguiu uma formação tradicional em design, o que lhe deu a liberdade de imaginar novos rumos. “Eu me via mais como uma curadora ou editora de formas e materiais”, diz ela. Desde o estabelecimento do Studio Toogood em 2008, a premiada designer britânica cunhou seu próprio vocabulário para fazer referência à sua prática multidisciplinar, que abrange móveis e moda, escultura e design de interiores. Alegando não ter “coragem” para chamar suas criações de “coleções”, Toogood se refere a elas como “Assemblages”, uma palavra cujas conotações de colagem refletem ainda mais o pão e manteiga de seu estúdio: confundir os limites.

“Quando montei o estúdio, tentava encontrar outras pessoas como eu que não queriam ser classificadas. Logo no início, rotulei todo mundo de ‘Desajustados’ porque não cabíamos em nenhum outro lugar, mas nos sentíamos confortáveis ​​em torno da mesma mesa”, explica Toogood, cujo treinamento pessoal foi em belas-artes e história da arte. “Foi a minha intriga que me levou a lugares diferentes, mas na verdade de uma forma prática, garantiu a sobrevivência para o estúdio.”

Enquanto projetos movimentados, como sua colaboração mais recente com a Birkenstock de calçados, ready-to-wear e móveis, estão expandindo o público de Toogood, peças exclusivas – nada mais do que a cadeira Roly-Poly – tornaram seu estúdio mundialmente famoso. “Ela está sempre no canto da sala. Sempre me pergunto se algum dia serei capaz de projetar uma cadeira com exatamente o mesmo impacto”, diz Toogood sobre a peça curvilínea, que ela criou em 2014, após o nascimento de seu primeiro filho. Seu trabalho anterior, que ela descreve como uma “designer feminina se afirmando em um ambiente dominado por homens”, foi angular, pesado e contundente.

Como muitas grandes obras, a cadeira foi polarizada no início, mas Marc Benda, fundador da galeria de Nova York Friedman Benda, foi um dos primeiros fãs e encorajou Toogood a produzir o design em diferentes materiais. Agora, representando a designer, Friedman Benda exibiu uma versão de nitrato de prata e bronze fundido em areia da cadeira durante a TEFAF Online 2021. Intitulada Cadeira Roly-Poly / Moon, a peça fazia parte de sua “Assemblage 5” de 2016, inspirada por uma visita à Chapelle du Rosaire de Vence, de Henri Matisse, no sul da França. A experiência foi particularmente espiritual para Toogood, que produziu cadeiras Roly-Poly em vários materiais para refletir a terra (composto de argila), água (vidro de cristal) e lua (nitrato de prata).

Faye Toogood diz que seus três pilares são “paisagem, escultura e materiais”, enquanto suas influências artísticas e decorativas variam. Artistas de St. Ives, incluindo Barbara Hepworth, Ben Nicholson, Patrick Heron e Henry Moore (particularmente sua conexão com objetos encontrados e naturais, bem como suas paletas de cores temperamentais) estão entre suas principais inspirações. Ela também cita Phyllida Barlow, Louise Bourgeois, Richard Serra e Anselm Kiefer. Em termos de artes decorativas, muitos ficariam surpresos ao saber que o aparentemente minimalista Toogood tem uma predileção por objetos ingleses do século 17 e arte popular americana, que vai de cadeiras Windsor a colchas de patchwork e peças de cerâmica.

Como as irregularidades e rachaduras dessas peças tradicionais feitas à mão, a obra de Toogood valoriza a espontaneidade – seu melhor trabalho resulta de não ser excessivamente precioso. Enquanto a maioria dos designers começa com esboços, Toogood vai direto para a construção de modelos. “Comparo isso a uma experiência infantil em que eles não estão totalmente preocupados com o que vai acontecer porque estão muito ocupados fazendo a próxima coisa”, explica Toogood. “Estava interessada em reter aquele exato momento de criatividade, de fazer, antes de desenvolver, processar, polir e aperfeiçoar.”

Seu trabalho mais recente, “Assemblage 6”, viu mais de 300 maquetes feitas de materiais mundanos encontrados em seu estúdio. Foi o produto de um ano e meio passado em um bloqueio autoimposto, curiosamente pré-COVID-19, onde ela procurou bloquear as influências externas para “desaprender”. “Tudo o que eu estava começando parecia estar fazendo referência ao meu próprio trabalho ou ao trabalho de outra pessoa, então era importante para mim encontrar uma nova linguagem de design”, diz Toogood. “Concluí que às vezes rasgar tudo e começar de novo é realmente saudável.”

Olhando para o futuro, Toogood agora tem muitas maquetes para alimentar designs futuros e está cada vez mais interessada em experimentar novas escalas (as joias são uma curiosidade de longa data) e cores. “As pessoas estão sempre tentando prever o que está por vir”, diz Toogood. “Mas elas não podem, e eu também não sei se posso.” A criadora infinitamente original continua abrindo seu próprio caminho ao abraçar a feminilidade, a experimentação e, acima de tudo, a imprevisibilidade.

Reportagem Especial Correspondance Magazine®

IMAGEM – Cortesia da Galeria Friedman Benda e do Studio Toogood © Todos os direitos reservados

Você também pode gostar...

Para receber nossas matérias
Muito obrigado pela sua visita!
Correspondance Magazine®