Matisse & Mendini

29 de Outubro de 2019

“Qualquer relacionamento, qualquer empatia entre mim e o mundo figurativo desse grande personagem só poderia ter sentido através de um objeto ou, mais precisamente, um vaso.” E é exatamente esse objeto simbólico imaginado pelo designer italiano Alessandro Mendini, que completa a coleção exclusiva em comemoração ao 150º aniversário do nascimento de Henri Matisse. Essa ideia nasceu de um convite dos herdeiros do pintor que almejavam lançar uma coleção efêmera de vasos em edição limitada, para fazer eco aos objetos que serviram de suporte para as pinturas de Matisse. A proposta era que designers e criadores se reúnissem em torno do lançamento da Maison Matisse, como uma grande família, a fim de levar à cabo o projeto global desenhado por Jean Matthieu Matisse e Eliana Di Modica, gerente geral da Maison. Para que esse plano se tornasse um sucesso, coube a Chantal Granier, mentora da coleção de séries limitadas, escolher e dialogar com os três designers, Alessandro Mendini, Jaime Hayon e os irmãos Bouroullec, escolhidos para mergulhar nessa colaboração em torno da herança e da obra singular de Henri Matisse.

Alessandro Mendini era uma evidência criativa incontestável para o lançamento da Maison Matisse. A princípio surpreso com o convite, o designer italiano finalmente confessará, entregando seus primeiros esboços, que esse projeto foi sua recreação. Mendini abraçou essa proposta da Maison Matisse como uma possibilidade de criar laços artísticos com Matisse, confessando poeticamente: “Se eu fechar os olhos e pensar em Henri Matisse, a primeira palavra que me vem à mente é pureza e a segunda é luz. Matisse é um espírito e um pintor puro, solar e total,” confessa o designer. “Para mim, os elementos em que ele faz sua imaginação brincar são as folhas das plantas em seus vasos, os espaços domésticos com seus móveis e os objetos, as mulheres nuas ou vestidas, todos entrelaçados dentro de uma espacialidade decorativa ornamentada por arabescos.” Durante muitos anos e desde à época de  estudante, o designer criou vasos, apropriando-se das formas do antigo Egito, dos modelos chineses e coreanos, quando a Renascença Italiana e a secessão vienense tinham esgotado suas possibilidades de imaginar formas criativas. Para homenagear Matisse, Mendini pensou em um formulário complexo, sinuoso e orgânico, como se fossem folhas conceituais, uma lembrança um pouco Liberty com siluetas importantes tiradas da estrutura e da geometria de algumas das pinturas do artista.

Sua coleção que tem como nome de batismo Vase Sinuoso, é uma proeza do artesanato moderno e o resultado de uma longa pesquisa técnica e de um cuidadoso processo de fabricação. Totalmente desenformado à mão, o topo de cada vaso é cortado manualmente quando a terra ainda está molhada e as peças formadas por 6 e 8 cores, que cozinham a uma temperatura diferenciada estabelecida de acordo com cada cor, tanto que uma mistura de dois diferentes produtos de barro foi desenvolvida para suportar sob 900 graus as oito sucessivas tonalidades. Esmaltes também foram adaptados para combinar perfeitamente com a nova terra. Tudo isso porque o maestro do design Alessandro Mendini queria criar um contraste entre superfícies foscas e brilhantes para fazer as cores vibrarem. Sendo assim, o interior e o fundo das peças são brancos-biscoito com efeito fosco, enquanto, por fora, os esmaltes são brilhantes, com exceção do preto e do branco opaco. Cada vaso tem cerca de vinte zonas de cores, que são aplicadas individualmente em cada área com um aerógrafo, após um trabalho de máscara para proteger as outras peças coloridas. O contorno de cada cor é finalizado com um pincel para criar linhas limpas. No total, foram necessários mais de 65h de muita paciência e paixão, a fim que esses três vasos singulares fossem criados. Verdadeira obra de arte, cada peça é numerada e assinada pelo designer e pelo artesão.

O complexo sistema cromático desenvolvido por Matisse ao longo do tempo foi um pretexto que incentivou Mendini a selecionar os matizes analisando detalhes de alguns de seus trabalhos oriundos de diferentes períodos, de modo a obter uma faixa com probabilidade de declínio entre cores solares e escuras, eróticas e naturais, abstratas e concretas. “Foi assim que desenvolvi uma paleta de oito cores análogas, além do branco e do preto, definindo três estilos decorativos sobrepostos à mão, dessa forma, os três vasos de cerâmica da minha coleção são caracterizadas por dimensões progressivas, cada cada um deles tem sua própria forma, cada um usa seis das oito cores desenvolvidas para a coleção, além do branco e do preto, cozidos separadamente, em áreas brilhantes e alternadas áreas opacas.” Essa delicada produção foi confiada ao mestre artesão florentino Alessio Sarri, proprietário de uma oficina rica em história no campo da cerâmica moderna.

EDIÇÃO DE TEXTO – Marilane Borges

IMAGEM – Cortesia © Maison Matisse com fotografias de Alessandro Mendini e Atelier Sarri clicadas por © Carlo Lavatori 

Você também pode gostar...

Para receber nossas matérias
Muito obrigado pela sua visita!
Correspondance Magazine®