Valérie Barkowski

22 de março de 2022

“Sou, antes de tudo, uma pessoa conceito, atesta a designer belga Valérie Barkowski. Gosto de criar mundos e é assim que desenvolvo minha criatividade.” Impulsionada pelas tradições artesanais ancestrais e pelo diálogo entre as culturas globais, Valérie cria apaixonadamente roupas de casa sofisticadas e atemporais há mais de duas décadas.

“Lenta” por natureza – muito antes de se tornar um movimento – ela se apropriou fielmente de um artesanato impecável com sustentabilidade e autenticidade para criar suas coleções.

“Esta pandemia reforçou minha preocupação em levar minhas decisões de trabalho e estilo de vida pessoal para um outro nível,  a fim de contribuir todos os dias para um planeta melhor”, confessa Valérie. Agora estou focada em caminhos alternativos envolvendo menos viagens para minimizar minha pegada de carbono, mas ainda assim preciso viajar para abastecer meus sentidos.”

A designer, fervente defensora de longa data da Glocalização: pense globalmente, aja localmente, afirma: “comprar ‘glocal’ é essencial hoje e ainda mais importante amanhã! Rejeite o consumo rápido e apoie os produtos ‘feitos à mão’ – mesmo aqueles vindos de longe. Por outro lado, acredito que comprar um lenço de cabelo de iaque, tecido à mão no Tibete, cerâmica preta ‘chamba’ da Colômbia ou roupa de cama marroquina bordada à mão é, na verdade, uma ‘compra ética’ porque ajuda a preservar antigas tradições artesanais, garantindo a subsistência dos artesãos”.

Há mais de 20 anos a designer, amante da arte e sonhadora, levou seu processo de design para o tricô, a impressão em bloco, o papel artesanal e os projetos de tecelagem com colaborações na Índia, Rússia, Vietnã e Europa.

Ao mesmo tempo, aumentando sua coleção requintadamente editada em sua loja. Baseada em Marrakech, Valérie atesta “que a cidade é uma base fantástica, mas minha criatividade precisa de reabastecimento constante!”

Suas primeiras peças enfeitadas com pompons, muito reverenciadas e muitas vezes imitadas, continuam sendo uma referência do seu processo criativo. Passementerie, borlas, acabamentos à mão, tecidos de malha delicadamente bordados fizeram e fazem história, reinterpretados com ousadia e completamente contemporâneos, mas impregnados de respeito histórico às tradições artesanais.

Correspondance Magazine® conversou com essa criativa potencial, durante o lançamento de sua coleção cápsula para a Compagnie Française de l’Orient et de la Chine, literalmente, Companhia Francesa do Oriente e da China – CFOC, para conhecer um pouco mais da sua personalidade tão cativante.

Conte-nos um pouco sobre sua colaboração com a Companhia Francesa do Oriente e da China.

– A CFOC me convidou para imaginar uma coleção “cápsula”. Sendo cliente da marca desde a adolescência, quis imediatamente trabalhar na sua gênese: a China. Explorer les traditions et les savoir-faire ancestraux, em tradução livre, “Explorar as tradições e o conhecimento ancestral”, livro publicado por ocasião de uma exposição da coleção de François Dautreme, fundador da CFOC, me inspirou e foi o ponto de partida para esta coleção.

Quais são suas fontes de inspiração?

– Para mim, a inspiração está em todo lugar. Tudo me alimenta de uma forma ou de outra. A criação é um estado de espírito. Tenho a sensação de que meus olhos funcionam como um scanner, registro formas, cores, objetos, paisagens, texturas. Cada dia muda de acordo com meus desejos e minhas necessidades mas posso passar horas observando as mãos de um artesão – elas são fascinantes.

Quais palavras definem seu trabalho estético e motivam você?

– Atemporal – Qualidade – Viagem – Simplicidade – Integridade. O que me motiva é manter viva as habilidades centenárias. Quando cheguei a Marrakech em 1996, fiquei fascinada com as histórias de jovens noivas enfeitando à mão seus enxovais e, naturalmente, queria minha própria roupa de cama bordada! Infelizmente, descobri que isso era tudo menos uma tradição abandonada. Foi impossível encontrar até mesmo o linho, muito menos as bordadeiras nos souks de Marrakech. Foi assim que tudo começou com minha busca incessante para reviver essas técnicas seculares.

Como você escolhe os materiais para seus projetos?

– Sempre trabalho com materiais naturais. Meu desejo é consumir localmente, onde estou, mas nem sempre isso é possível. Estou dobrando minha energia para encontrar soluções sustentáveis ​​para desenvolver produtos “responsáveis”, preservando antigas tradições artesanais localmente em Marrakech. Este savoir-faire artesanal secular constitui um legado vivo que deve ser preservado e essa é a minha missão.

Quem guia os seus projetos, as tendências ou a intuição?

– Há mais de 20 anos que minha intuição dá ritmo ao meu trabalho. Crio produtos que tem uma longa vida útil e isso é essencial para mim. Comecei há vinte anos a fazer instintivamente escolhas sustentáveis ​​que me tornaram uma outsider, evitando veementemente a produção de massa.

Existem personalidades do mundo da decoração e do design ou de outros setores que a influenciaram? Como e por quê?

– São principalmente pessoas que tem projetos na vida real que me interessam e me inspiram. Vandana Shiva é o primeiro nome que vem à mente. Pessoas que fazem a diferença, não importa em que setor.

Como você se definiria: criadora, decoradora, criativa ou tudo ao mesmo tempo?

– Às vezes me sinto como um “canivete suíço”, sou multifuncional. Sou gananciosa e curiosa, além de gostar de desafios. Como resultado, minha criatividade pode assumir diferentes formas. Minha carreira documenta isso amplamente, acredito.

Você poderia dividir com nossos leitores alguns detalhes dos novos projetos com os quais você está envolvida…

– No momento, estou trabalhando na reforma e adaptação de uma casa atípica em Marrakech e estou me recuperando depois de 2 anos de ausência por conta da pandemia. Trabalho no meu riad Dar Kawa e me concentro na minha loja Valérie Barkowski em Marrakech. Estou sempre atenta aos projetos específicos que me podem ser oferecidos e seleciono-os de acordo com a minha inspiração. Tenho necessidade de ser estimulada intelectualmente… Uma vez que isso está no lugar, tenho uma certa vontade de me mover, meus genes nômades acordam…

Quais projetos você ainda não realizou e gostaria de concretizá-los?

– Há vários anos que sinto uma enorme necessidade de “transmitir”. Depois de trabalhar em uma ONG no Vietnã por vários meses, essa necessidade cresceu. Quero ser útil e desenvolver um projeto que tenha significado humano.

Nesses tempos tão conturbados, com o que você tem sonhado?

– Em tirar 2 meses de férias por ano, de preferência, durante o verão à beira-mar, em uma ilha.

Gostaria de redescobrir a sensação das “longas férias” da minha infância, quando terminávamos a escola em 30 de junho e não tínhamos nada para fazer, exceto aproveitar a vida, durante 2 meses. Guardávamos nossa mochila e tudo parecia leve, simples, sem obrigações.

Para mim, viajar é um estímulo vital, conceitual. Esse movimento alimenta minha criatividade com cores, novas vibrações e experiências sensoriais que invariavelmente acendem uma nova história, um novo conceito.

Atualmente é meu telefone e meu computador que gostaria de deixar de lado e redescobrir essa sensação de liberdade total.

TEXTO – Marilane Borges 

IMAGEM – Cortesia da designer e da CFOC © Portrait de Valérie Barkowski clicado por Tania Panova © Todos os direitos reservados

Você também pode gostar...

Para receber nossas matérias
Muito obrigado pela sua visita!
Correspondance Magazine®