Viajando de trem

23 de fevereiro de 2021

Descobrir o verdadeiro coração de um país, fora do roteiro turístico, conhecer seus companheiros de vagão e sentir o ritmo dos trilhos: a viagem de trem tem uma magia própria. Esteja você navegando pela Europa a bordo de uma locomotiva a vapor ou acelerando pelo Japão de shinkansen, aqui estão 6 razões para viajar de trem…

Não é nenhum segredo que as viagens aéreas são um dos maiores contribuintes para o aquecimento global e escolher viajar sem ter que voar é uma das melhores maneiras de reduzir sua pegada de carbono. De acordo com uma pesquisa feita pelo Eurostar, viajar de trem de Londres a Paris emite 90 por cento menos gases do efeito estufa do que voar, então imagine quanto C02 é economizado ao se interligar pela Europa em vez de fazer vários vôos curtos.

Comece em Paris, com croissants, o Louvre e a Torre Eiffel antes de ir para Lyon – a capital gastronômica da França. Em seguida, atravesse a fronteira com a Itália, onde você verá a moderna Milão e as históricas Florença e Roma. Ao passar de uma cidade mundialmente famosa para outra, você pode se sentir seguro sabendo que está fazendo a sua parte para salvar o planeta.

A viagem de sete horas de Kandy a Badulla na estrada de ferro Hill Country do Sri Lanka pode custar menos de US$ 1, mas o trajeto não tem preço. Conforme você cruza o país entre as toytown, você verá montanhas envoltas em névoa, cachoeiras trovejantes e vastas extensões de plantações de chá.

É claro que você poderia pagar a mais para viajar no vagão de primeira classe com ar-condicionado, juntamente com os outros turistas, mas por que não sentir o ar da região montanhosa em seu rosto e absorver a vida local na terceira classe? Quando você para em uma série de estações, vendedores ambulantes correm a bordo, armados com cestas de samosas frescas, pacotes de bananas e, é claro, bules de chá fumegantes.

Há uma hora e um lugar para viajar por conta própria. Caminhar e andar de bicicleta podem ser exaustivos e dirigir exige concentração constante, especialmente em estradas desconhecidas. Com uma passagem de trem, você pode sentar, relaxar e apreciar a paisagem em constante mudança fora de sua janela e visualizar exatamente como elas são.

A bordo do Glacier Express, você descobrirá a Suíça dos livros de histórias, com vacas pastando em pastagens de cor esmeralda e picos de dentes-de-pontas cobertos de neve. Enquanto os pântanos abafados, planícies onduladas e desertos épicos aguardam os que viajam nos trilhos entre Nova Orleans e Los Angeles na Sunset Limited. Esta é uma viagem lenta no seu melhor sentido.

Para os viajantes apaixonados por novas vivências, não há dúvidas que a melhor maneira de entrar na pele de um país é conhecendo seu povo. Viajar de trem pode ser uma experiência extremamente social, com um elenco de companheiros de vagão em constante mudança. Na épica Trans-Siberian Railway (Ferrovia Transiberiana) de 9.289 km, você encontrará mineiros e engenheiros, donas de casa e aposentados, vendedores e estudantes saídos diretamente das páginas de um clássico romance russo. No momento em que você atravessar os oito fusos horários entre o ponto de partida e o ponto de chegada, você terá levantado uma taça de vodka com inúmeros amigos recém-descobertos. Na Zdrovie!

Comissários em uniformes azuis royal, toalhas de mesa de linho branco, teclas de piano tilintando: todas essas extravagâncias aguardam os sortudos que têm uma passagem para o Venice Simplon-Orient-Express. Esta jornada romântica parece saída de um romance de Agatha Christie – e é – mas existem muitas viagens menos conhecidas que são tão luxuosas.

O Blue Train brilha nas planícies sul-africanas, oferencendo aos passageiros a observação da vida selvagem, a degustação de vinhos com cafés da manhã com produtos locais e noites cheias de jazz. Procurando uma jornada opulenta pela Austrália? O Ghan pode levar três dias para chegar ao seu destino, mas é uma maneira muito mais elegante de viajar do que pegar o vôo de quatro horas entre Adelaide e Darwin. Nesta jornada lenta, você verá os amarelos claros do outback, o Red Centre vermelho-sangue e os verdes e azuis dos trópicos, enquanto saboreia alguns dos melhores pratos do continente.

Quando a viagem de trem foi inventada no início do século 19, as pessoas temiam que a velocidade dessas locomotivas a vapor deixassem os passageiros inconscientes. Menos de 200 anos depois, o shinkansen, ou trem-bala, cruza o Japão a 320 km / h (200 mph).

No caminho entre Tóquio e Nagoya, você passa por casas de fazendas de madeira, misteriosos torii (portões de santuários) e paisagens pintadas como desenhos. Mas, é claro, a visão mais icônica da viagem é o Monte Fuji, surgindo dos arrozais. Sim, é bom viajar devagar, mas atravessar um país em alta velocidade também tem seu próprio apelo, e que melhor maneira de vivenciar o Japão – um país ao mesmo tempo enraizado em seu passado e vivendo no futuro – do que em um trem-bala cintilante?

Reportagem Especial Correspondance Magazine®

IMAGEM – Cortesia dos fotógrafos © Balazs Busznyak  © Florian Blümm © Jia Li © Serjio74 © Pongpon Rinthaisong © Mathews Rader © Chorttig © Todos os direitos reservados

Você também pode gostar...

Para receber nossas matérias
Muito obrigado pela sua visita!
Correspondance Magazine®