A arte do protesto

6 de janeiro de 2021

Ele cresceu durante a Guerra Suja da Argentina nas décadas de 1970 e 80, e Marcelo Brodsky teve um interesse natural em protestos desde jovem. Construído ao longo dos anos, esse interesse agora serve de base para seu trabalho: o artista faz anotações em fotografias históricas para mostrar o contexto da época, destacando as questões que estão sendo protestadas e enfatizando o simbolismo mais importante em cada clique. Alex Kahl falou com ele sobre como sua educação complicada e temerosa influenciou seu trabalho e como os protestos ao longo do tempo estão interligados. A educação política de Marcelo Brodsky começou muito jovem.

O artista argentino frequentou o Colégio Nacional de Buenos Aires, a escola nacional da cidade, “uma instituição com uma longa tradição política como uma das primeiras escolas da Argentina”, diz ele. Ele lembra que foi um ótimo lugar para encontrar pessoas para conversar sobre os problemas sociais do país e aprender como se tornar ativo para mudá-los. Quando seu pai lhe deu uma câmera Voigtlander aos 12 anos, ele começou a fotografar seus amigos e familiares e colar as fotos em um álbum ao lado de poemas que escrevia. “Três desses amigos desapareceram de repente”, diz ele. “Eles foram vítimas da ditadura militar que sofremos na Argentina de 1976 à 1983. Meu irmão Fernando estava entre eles.” A partir daí, suas fotos adquiriram um significado totalmente novo.

Os problemas entre 1976 e 1983, muitas vezes conferidos pela mídia como “a guerra suja”, podem ser amplamente descritos como um período de terrorismo de estado apoiado pelos Estados Unidos. Uma mistura de forças militares e esquadrões de direita não identificáveis ​​passou anos rastreando qualquer pessoa suspeita de ser um dissidente político. Suas ações foram pintadas como um flagelo anticomunista, quando na verdade eles passavam muito tempo procurando estudantes, artistas e jornalistas; qualquer pessoa com potencial para promover a liberdade de expressão ou de pensamento. Nos sete anos de regime, cerca de 30.000 pessoas desapareceram. O próprio Marcelo foi forçado ao exílio em Barcelona após o golpe do general Videla se estabelecer.

“A ditadura que sofremos na Argentina foi a mais sangrenta da América Latina”, diz Marcelo. “Viver sob aquele regime significava que você nunca sabia se voltaria para casa naquela noite. Amigos foram levados ao meu redor. Eu era apenas um estudante, mas de alguma forma um ativista contra o regime militar. A repressão e a morte estavam perto demais…” Ele fala do medo que ele e aqueles ao seu redor sentiam, reforçado pelo fato de que as autoridades que antes estavam lá para protegê-los agora representavam um perigo real para suas vidas. “Havia uma mistura de sentimentos, entre a necessidade de resistência e o terror de ser morto sem qualquer defesa legal… ansiedade, medo, desespero, raiva faziam parte do nosso quotidiano”, afirma.

Em 1996, 20 anos após o início do golpe, a velha escola de Marcelo finalmente decidiu que havia tempo suficiente para homenagear aqueles que estavam perdidos. Eles contaram que 112 alunos haviam desaparecido e organizaram um evento no qual várias fotos foram penduradas nas paredes da escola junto com trechos de poemas e histórias escritas pelos alunos desaparecidos, e os nomes dos 112 foram lidos um a um, enquanto seus pais assistiam.

Como parte desse memorial, Marcelo encontrou uma foto antiga de sua turma do primeiro ano e rastreou todas as pessoas na foto que pôde encontrar. Ele falou com cada um deles e anotou na foto da classe algumas informações sobre cada um, destacando qualquer aluno que não tivesse sobrevivido ao golpe. A foto seria a primeira parte de seu projeto Buena Memória, um ensaio fotográfico que explora as histórias pessoais dos sete anos de ditadura. A foto também abriria caminho para o estilo que Marcelo seguiria no futuro, e seu catálogo é agora uma seleção variada de fotografias de arquivo com anotações, notas e citações adicionadas sobre cada uma delas.

Fotos de protestos de Praga a Dakar – geralmente de 1968, o ano em que ocorreram protestos em todo o mundo enquanto as pessoas se levantavam contra a burocracia e a ditadura – são recoloridas, com palavras que explicam o que estava sendo combatido e as lutas que foram empreendidas na época. Uma foto em preto e branco da Washington Poor People’s Campaign do mesmo ano inclui os punhos erguidos destacados em vermelho, enfatizando o poder que tal pose exerce. Uma cena de uma marcha pela paz em Praga mostra palavras escritas nos corpos do manifestante, frases como “Pare os tanques” e “Liberdade”. Imagens jornalísticas costumam ser a matéria-prima que Marcelo usa em seu trabalho.

“Cada imagem é diferente, como cada realidade o é”, afirma. “Posso mudar o ponto focal de uma imagem com a minha intervenção: posso chamar a atenção para alguns detalhes que considero relevantes. Estudo cada imagem em detalhes e marco os aspectos que podem ser ignorados se forem apenas mostrados como são.” Marcelo fundou e dirigiu uma agência fotográfica com sede na América Latina e Espanha por 30 anos, distribuindo fotografias de todo o mundo.

Este trabalho ensinou-lhe a importância da fotografia de arquivo e como as imagens são essenciais para narrar a história e transmitir experiências às gerações futuras. “Interpretar, intervir e trabalhar com imagens de arquivo tem um potencial imenso para narrar, criar, compreender”, afirma.

Depois que Marcelo faz sua pesquisa para encontrar as melhores imagens de arquivo para a história que deseja contar, ele imprime as fotos em papel de algodão, analisa o contexto e as circunstâncias em torno de cada imagem e começa a desenhar suas ideias. “Minha escrita e desenho são intuitivos e não seguem um plano”, diz ele. “Sento-me no meu estúdio e começo a trabalhar. Um novo significado é adicionado à imagem, e novos links são encontrados com as outras imagens no ensaio. A narração se torna complexa, diversa, estendida…”

Embora cada imagem do portfólio de Marcelo diga algo sobre um evento específico diferente, ele acredita que cada uma também comunica uma mensagem mais completa sobre o estado dos protestos em âmbito global. “Todos os protestos e movimentos sociais estão mais interligados do que em qualquer momento anterior. Essa é a rede reacionária e conservadora de forças políticas que querem manter tudo como está”, afirma.

“Cada protesto ao redor do mundo envia uma mensagem de resistência, uma mensagem de que não é tão fácil escapar impune. Os jovens estão lá para oferecer sua energia para enfrentar a opressão e a injustiça.” Assim como um protesto pode compartilhar semelhanças com pessoas do passado em continentes totalmente diferentes, uma foto aparentemente simples pode ser vinculada a questões mais amplas ao redor do mundo, como no caso da primeira peça de Marcelo, a foto da turma.

Este é o seu trabalho marcante, apesar de não pretender que fosse arte quando o fez, mas sim uma forma de mostrar as experiências vividas por ele e pelos seus amigos. “Foi uma tentativa de transmitir essa experiência por meios visuais, de forma mais emocional do que racional”, afirma. “É baseado apenas em uma aula, minha aula, mas essa aula pode simbolizar nossa escola, nossa geração, nosso país, até mesmo a América Latina dos anos setenta. A foto da turma é uma representação dos buracos deixados em muitas gerações em todo o mundo pela violência, pela intolerância política e pela repressão.”

IMAGEM – Cortesia do artista Marcelo Brodsky que participa de Paris Photo Nova York 2021 © Todos os direitos reservados

Você também pode gostar...

Para receber nossas matérias
Muito obrigado pela sua visita!
Correspondance Magazine®