Casas e ateliês históricos

25 de Junho de 2020

“A casa de um artista é um prisma através do qual pode-se ver, não apenas a prática artística de seu habitante, mas também apreender desenvolvimentos mais amplos da cultura, da escultura e da arte contemporânea, tudo isso relacionado à arquitetura doméstica e ao espaço interior…” Valendo-se dessa análise, pode-se afirmar que essa é uma das premissas do guia das “Casas de Artistas e Ateliês Históricos”, que conta com uma compilação de quarenta e quatro residências de artistas, transformadas em museus e fundações, localizadas em cinco regiões distintas dos Estados Unidos, distribuídas em 21 estados do país. Coletivamente, esses locais representam o legado de mais de 300 artistas, abrangendo três séculos de criação. Esses ateliês e residências foram primordiais para escritores e artistas visuais, que precisam de espaços específicos, que incluem jardins e todos os lugares onde a família e os amigos se reúnem e interagem.

Através de retratos dos artistas, trabalhos artísticos e fotografias de cada local, o leitor vai descobrir o quanto a situação geográfica dessas residências exerceu uma poderosa influência sobre artistas, como Georgia O’Keeffe, Jackson Pollock, Lee Krasner, e muitos outros ilustres representantes da arte americana que ainda hoje testemunham de sua transbordante criatividade. Em comemoração ao 20 aniversário do programa de preservação, o National Trust for Historic Preservation lançou esse guia especial, editado pela Princeton Architectural Press, que tem como legado promover as residências e aleliês dos artistas como uma experiência artística, histórica e cultural.

A transmissão desse patrimônio, apresentado neste primeiro guia das “Casas de Artistas e Ateliês Históricos”, faz parte de um programa do National Trust for Historic Preservation, que delimita geograficamente a arquitetura e a paisagem do cenário das artes plásticas e visuais americana. Ao longo das páginas, a curadora e autora do guia, Valerie Balint conta que “muitas dessas casas e ateliês históricos foram projetados pelos próprios artistas e, nesses espaços criativos tão diversos, podemos nos inspirar e aprender tanto quanto numa exposição de arte de um museu tradicional.” Para a maioria dos artistas, o atelier representa a alma da sua criação, o estado de espírito de um ambiente que fornece a atmosfera necessária para que a criatividade seja nutrida e desenvolvida.

O leitor vai se deparar, mesmo sem ainda ter visitado algumas dessas residências, que o modo de vida desses artistas teve um papel significativo no desenvolvimento da sua arte, seja como uma instalação estética ou ainda uma colagem do real para corroborar uma arte performática e pictórica. “Casas de Artistas e Ateliês Históricos” é a constação de que da arena doméstica para o espaço público de exibição, o cotidiano é o médium que propicia a expansão da arte, alinhada intrínsecamente à personalidade do artista.

EDIÇÃO DE TEXTO – Marilane Borges

IMAGEM – Cortesia da editora Princeton Architectural Press para a publicação Guide to Historic Artists’ Homes & Studios, escrito por Valerie Balint © Todos os direitos reservados © Peter Aaron / OTTO, cortesia de Thomas Cole Nacional Historic Site N. C. Wyeth (pp 134-135) – N.C. © Gross Foundation (pp 106-107) – Chaim Gross Studio, Nova York, NY, 2018, fotografia de Elizabeth Felicella, cortesia de Renee e Chaim Gross Foundation © Thomas Cole (p 116 inferior) – Interior do “Old Studio” de Thomas Cole no Cedar Grove, Catskill, Nova York de 2017, © Peter Aaron / OTTO, cortesia de Thomas Cole © N. C. Wyeth (pp 134-135) – N.C. Estúdio Wyeth, fotografia de Dan Jackson, cortesia do Museu de Arte do Rio Brandywine, Chadds Ford, Pa © Kirkland (p 234) – O estúdio de Victor Kirkland, onde algumas vezes ele se içou acima de suas obras, distribuídas em tiras, para realizar pinturas em grandes formatos.

Você também pode gostar...

Para receber nossas matérias
Muito obrigado pela sua visita!
Correspondance Magazine®