Colagens de Jean Conner

10 de maio de 2022

O San José Museum of Art (SJMA) apresenta a primeira exposição individual em um museu de Jean Conner (nascida em 1933, Lincoln, Nebraska), que traz o reconhecimento há muito esperado do extraordinário trabalho da artista de 88 anos.

A mostra Jean Conner: Collage, que fica em cartaz até 25 de Setembro de 2022, apresenta colagens da década de 1950 até o presente e destaca a imaginação caprichosa de Conner e as críticas inteligentes das representações da mídia de massa sobre mulheres, guerra e meio ambiente. Inclui materiais raramente vistos do Conner Family Trust, novas aquisições da SJMA e obras de museus públicos e coleções particulares.

“Embora Jean Conner tenha passado a maior parte de sua longa carreira de seis décadas ao lado de um círculo de artistas de vanguarda em São Francisco, como seu marido Bruce Conner e Joan Brown, Jay DeFeo, Wally Hedrick, George Herms e outros, sua prática artística foi em grande parte não reconhecido. É improvável que ela pudesse imaginar que sua reputação cresceria tanto nos últimos anos”, disse S. Sayre Batton, Diretor Executivo da Oshman, SJMA.

“É um privilégio compartilhar a vida e as práticas artísticas de Conner com o público e mostrar como seu estilo de assinatura foi inspirado pelo mundo ao seu redor. Esta exposição reforça o compromisso do Museu de mostrar as notáveis ​​realizações artísticas de mulheres artistas.”

A colagem de papel representou a maior parte de sua produção desde que se mudou para São Francisco em 1957. As primeiras colagens de Conner incluem papel de jornal e tinta em composições abstratas, e seus trabalhos mais figurativos daquela década, como Nixon (1959), eram feitos de preto e imagens brancas.

Sua abordagem de fazer arte a partir de objetos e imagens do cotidiano ecoou na cultura ao seu redor: os artistas da Beat Generation em São Francisco que abraçaram um ethos de experimentação e se rebelaram contra as práticas artísticas tradicionais e o materialismo econômico. Engenhosos e pouco convencionais, esses artistas praticaram a montagem através de vários meios, como fotografia e escultura.

Em 1960, ela usava quase exclusivamente revistas coloridas. Ela criava cenas sedutoras e bem-humoradas a partir de imagens recortadas de revistas de grande formato, explorando as aspirações e medos da vida moderna do pós-guerra refletidos em publicações como Life Magazine e Ladies’ Home Journal.

Conner se deleitou com a cor e a figuração, retratando cenas extravagantes tão excessivas e estranhas quanto as propagandas da época, como em Sopa de Tomate (1960), uma colagem ousada e carmesim na qual uma colher de sopa de tomate funciona como espelho para um dedo bem cuidado aplicando batom rubi.

Suas observações sobre os avanços tecnológicos também podem ser lidas em obras como Adding Machine (1969), em que dançarinos sincronizados surgem de teclas numeradas de um computador em uma explosão orquestrada sobreposta a uma cena de destruição causada pela guerra.

Ecologias estranhas surgem em Octopus (1982), que mostra um mergulhador de recife vencido por um polvo gigante subindo de um pântano, enquanto um tubarão azul nada em um céu azul.

“Conner constrói composições fantásticas e lúgubres em suas colagens. Seus mundos vívidos e pictóricos apresentam animais e natureza, rituais religiosos, dançarinos, mergulhadores e comida com um olhar aguçado para a história da arte.

A artista se baseia no surrealismo e em uma história de colagem que antecede a vanguarda do século 20 – usada tanto como uma tática subversiva quanto como uma busca doméstica – para criar imagens estranhas que tornam o incrível crível e perturbam a mente”, disse Rory Padeken, curador e gerente de publicações, SJMA.

Reportagem Especial Correspondance Magazine®

IMAGEM – Cortesia Conner Family Trust e San José Museum of Art © Todos os direitos reservados

Você também pode gostar...

Para receber nossas matérias
Muito obrigado pela sua visita!
Correspondance Magazine®