“Como viveremos juntos?”

28 de maio de 2021

“Como viveremos juntos?” é tanto uma questão social e política quanto espacial: normas sociais em rápida mudança, crescente polarização política, mudança climática e vastas desigualdades globais estão nos fazendo questionar sobre esse assunto com mais urgência do que antes. Paralelamente, a fraqueza dos modelos políticos de hoje nos obriga a observar como a arquitetura molda a habitação e a comunidade.

Os arquitetos convidados a participar da Biennale Architettura 2021 são incentivados a incluir outras profissões e círculos sociais – artistas, construtores e artesãos, mas também políticos, mídias, cientistas sociais e cidadãos comuns. Com efeito, a Bienal afirma o papel vital do arquiteto como mstre de cerimônias cordial e guardião do contrato espacial.

Essa é a pergunta que impulsiona a 17ª Exposição Internacional de Arquitetura em Veneza, que abriu ao público em 22 de maio e acontecerá até 21 de novembro de 2021. Correspondance Magazine® selecionou alguns pavilhões que respondem a essa pergunta voltada para o futuro com propostas inovadoras.

O escritório de arquitetura norueguês Helen & Hard trabalhou em estreita colaboração com um grupo de moradores de seu projeto residencial de 2018 Vindmøllebakken para imaginar uma unidade de co-habitação de madeira maciça. Equilibrando espaços públicos e privados, a seção em escala real foi realizada dentro do Pavilhão Nórdico em parceria com o engenheiro suíço Hermann Blumer. O que compartilhamos coloca a questão: ‘Em quais funções ou situações sociais os habitantes poderiam sair de seus apartamentos e compartilhar com outros moradores?’. Respondendo à necessidade de novos modelos sustentáveis ​​de vida comunitária, o edifício visa incentivar uma arquitetura cada vez mais adaptável, influenciada igualmente pelos moradores e órgãos envolvidos.

Um “apelo empático contra a homogeneidade e a monocultura” nas palavras do curador e chefe da agência do Het Nieuwe Instituut Francien van Westrenen, Who is We? defende que arquitetos e designers abracem melhor a relação simbiótica entre pessoas, natureza e animais. As contribuições da arquiteta Afaina de Jong Multiplicidade do Outro e Espaço do Outro exploram a forma como os grupos “outros” são considerados no planejamento espacial. Espaço do Outro oferece um espaço performativo para o diálogo público através da música, dança e poesia. A artista Debra Solomon traz ferramentas de pesquisa para “desenvolvimento urbano justo entre espécies impulsionado pelo cuidado e mitigação da crise climática” com o Multispecies Urbanism.

Sete espaços públicos privatizados transformados em experiências imersivas e inclusivas compõem o The Garden of Privatized Delights. A instalação apresenta os espaços públicos convencionais do país – a rua principal, o pub e o centro da juventude – justapostos a uma praça ajardinada privada inacessível. Inspirados no tríptico The Garden of Earthly Delights, de Hieronymus Bosch, esses ambientes simulados são sobrepostos com propostas de reinvenção. Os curadores Manijeh Verghese e Madeleine Kessler procuram estimular uma nova reflexão sobre o espaço público de propriedade privada em cidades do Reino Unido e desafiar a polarização entre essas entidades públicas e privadas.

Mahalla: Urban Rural Living é a primeira presença da República do Uzebequistão na Bienal de Veneza. Os professores de arquitetura e design da ETH Zurique e os sócios fundadores da Christ & Gantenbein, Emanuel Christ e Christoph Gantenbein, foram escolhidos para fazer a curadoria e conduzir pesquisas para o pavilhão, que se baseia na tradicional habitação mahalla do país, lugares onde o estado e a sociedade historicamente se reúnem para se encontrar a nível local. Encontro de expressão científica e artística, o pavilhão exibe uma maquete de mahalla complementada por sonoplastia ambisônica gravada pelo cineasta espanhol Carlos Casas, e fotografias do fotógrafo holandês Bas Princen.

Este ano, o Pavilhão da Federação Russa possui um local renovado: o edifício projetado por Alexey Shchusev em 1914 foi revitalizado pela KASA Architects em conjunto com 2050.plus e Smart Art. A exposição baseia-se na plataforma virtual Open? que os curadores formaram em resposta ao adiamento da bienal do ano passado. Perguntando como as instituições culturais podem ser reorganizadas através de uma variedade mais diversificada de perspectivas, a experiência inclui um programa de filmes, aquisições digitais, um livro e uma estação de jogos completa com três videogames russos. O acesso ao Open vai além de Veneza com um pavilhão digital.

Co-ownership of Action: Trajectories of Elements reaproveita uma casa de madeira de 65 anos que chegou ao fim de seu ciclo de vida no Japão. Desmontada e enviada para o exterior, a antiga residência ganha uma nova vida como bancos, telas, sinalização e muito mais no pavilhão do Japão. Artesãos locais em Veneza uniram forças com os arquitetos do Japão online para o processo, refletindo como materiais antigos podem ser transformados de forma colaborativa em nova arquitetura. Após a bienal, as estruturas da exposição serão novamente recicladas para um evento em Oslo. Sob a tutela de The Japan Foundation.

A água está no centro do Con-nect-ed-ness, um espaço projetado para enfatizar sensorialmente a continuidade do elemento em nossas vidas. Os visitantes testemunham a jornada da água dos tanques de coleta ao ar livre, pelos quartos, até sua própria xícara de chá – tudo contra o pano de fundo de estruturas simples e cruas. “Como arquitetos, tentamos fornecer respostas sobre como as pessoas podem viver juntas”, Lene Tranberg, cofundadora e arquiteta da Lundgaard & Tranberg Arkitekter. “Trabalhamos com a condição de que a arquitetura esteja sempre em relação com a natureza. No pavilhão, procuramos tornar visível um sistema cíclico, que nos ajuda a começar a nos entender como parte de algo maior.’

O arquiteto e curador Gerardo Caballero buscou casas argentinas por excelência para a Casa Infinita, cujo layout indefinido imita os conjuntos habitacionais públicos do país sul-americano; sua cor rosada emula a tradicional mistura de concreto de sangue de boi e cal usada para construir lá. Múltiplos caminhos podem ser tomados para uma série de residências, um ambiente aparentemente inescapável que simboliza o mundo interconectado em que todos vivemos como indivíduos, ilustrando que uma casa se estende além do seu próprio espaço de vida’, dizem os fabricantes.

Abrangendo 16 instalações, To Gather: The Architecture of Relationships investiga como moradores, cidadãos e comunidades locais compartilham espaços em Cingapura. A exposição examina projetos focados na cidade, como o notável trabalho especulativo Rewilding the Sky, que imagina uma reserva natural no topo de cada edifício, Habitcat, uma observação de como os gatos de rua habitam espaços feitos pelo homem e paisagens urbanas, e a primeira comunidade verde de Cingapura para cidadãos idosos, Kampung Admiralty. Quatro temas – Relacionamentos em comunhão, Relacionamentos emoldurados, Relacionamentos revelados e Relacionamentos imaginados – narram essa apresentação liderada pelo DesignSingapore Council.

Reportagem Especial Correspondance Magazine®

IMAGEM – Cortesia DSL Studio, dos fotógrafos Alberto Strada, Andrea Avezzù, Cristiano Corte, Gerda Studio, Giulia May, Hampus Berndtson, Marco Cappelleti © Todos os direitos reservados

Você também pode gostar...

Para receber nossas matérias
Muito obrigado pela sua visita!
Correspondance Magazine®