Desenhos de cerâmica

24 de Junho de 2020

A ceramista Lubna Chowdhary é conhecida por suas criações esculturais e obras de arte específicas do local que ela produz em uma variedade de tons ousados ​​e formas marcantes. Nascida na Tanzânia, Chowdhary atualmente mora em Londres, onde obteve seu mestrado em cerâmica pelo renomado Royal College of Art. Lubna Chowdhary nos fornece informações sobre seu histórico, processo criativo e projetos mais recentes.

O que a atraiu inicialmente para a cerâmica?

– Eu me matriculei em um projeto de design 3D especializado em madeira, metal e cerâmica, na esperança de fazer móveis. A cerâmica era um material obrigatório no curso. Inicialmente, não estava interessada em estudar cerâmica por causa de suas associações domésticas na época, que com desdém era considerava uma busca astuciosa e feminina. Era o tipo de busca que estava tentando escapar e me distanciar. Por mais que tentasse resistir, fui seduzida pelo imediatismo do barro. É um material que pode ser modelado sem o uso de máquinas ou ferramentas e responde diretamente às suas mãos, permitindo que você crie formas quase como as concebe.

Como você descreveria a linguagem de design do seu trabalho?

– O complexo mundo moderno nos apresenta muitas narrativas concorrentes de uma multiplicidade de culturas. Uso meu trabalho para tentar negociar um caminho entre algumas dessas narrativas; assimilo ideias e estéticas dos mundos oriental e ocidental e examino as relações entre elas. Também me aproprio das linguagens contrastantes do ‘horror vacui’, o medo do espaço vazio, comumente atribuído às tradições visuais do Oriente e à economia do modernismo ocidental. Além disso, procuro maneiras de forjar relações entre entidades díspares, padrões e referências visuais, criando no processo uma interação ambígua entre o familiar e o não reconhecido. Meu trabalho escultural é produzido à mão e combinado com um vocabulário de formas moldadas à pressão a partir de objetos do cotidiano produzidos industrialmente. Gosto de improvisar e aprecio os resultados e detalhes acidentais que esses métodos tradicionais geram como resultado.

Qual a importância das cores nesse processo?

– A cor sempre fez parte de uma grande parte da minha vida. Percebo que muitas pessoas têm medo de usar cores e, por vezes, sinto que estou em uma missão. Se houver cores disponíveis, por que não usá-las? Não sou teórica nem científica para discutir sobre o uso de cores – meu trabalho é muito mais instintivo. Sinto-me confiante em usar uma ampla gama de cores e, às vezes, utilizo-as de uma maneira muito moderada e controlada. Quando as uso ou as  organizo, trabalho com tonalidades contrastantes para tirar o máximo proveito das cores até que elas ‘pulem’ uma sobre as outras. As cores estabelecem uma leitura diferente quando são colocadas próximas uma das outras e há um relacionamento entre elas. Quando um objeto é produzido, passo muito tempo compondo sua cor e forma.

Como foi sua experiência exibindo na Art Basel Hong Kong?

– Foi a minha primeira vez em Hong Kong, e foi um grande sucesso. Havia uma audiência internacional e meu trabalho foi adquirido por instituições em Hong Kong e na Austrália.

Você pode nos contar sobre o que está trabalhando agora?

– Meu projeto mais recente é uma obra de arte para um novo prédio em Liverpool Street, Londres. A obra de arte cria a experiência de uma jornada pela paisagem urbana. Os painéis nas paredes são sugestivos de janelas de trem através das quais você pode vislumbrar rapidamente a iconografia industrial da paisagem ferroviária. O trabalho artístico recria a experiência visual de uma jornada em uma colagem de cores justapostas e geometria sobreposta.

REPORTAGEM ESPECIAL – Babette Thomas
IMAGEM – Cortesia da artista Lubna Chowdhary © Todos os direitos reservados

Você também pode gostar...

Para receber nossas matérias
Muito obrigado pela sua visita!
Correspondance Magazine®