Lulu Lytle

28 de dezembro de 2020

Móveis de vime evocam o glamour e a elegância descontraída de casas de praia exóticas, a beleza informal de jardins repletos de plantas e varandas ensolaradas. Fascinada com a versatilidade do vime, a designer britânica Lulu Lytle examina em seu recente livro Rattan, lançado pela editora Rizzoli, o apelo atemporal deste tropical sustentável. O vime é uma planta parecida com uma videira trepadeira, que pertence à família das palmeiras e tem mais de 600 espécies reconhecidas cientificamente. Seus caules fortes e sólidos crescem em torno de 2 a 5 cm de diâmetro e suas folhas têm pontas longas e farpadas em forma de chicote que servem como sistema de suporte para as plantas crescerem e escalarem árvores e outras plantas em direção à luz do sol na floresta tropical.

Além disso, o fato de que o vime pode crescer até centenas de metros de comprimento o torna um recurso abundante, sustentável e atraente visto que é mais fácil de ser coletado do que a madeira, mais fácil de ser transportado e cresce mais rápido do que outras árvores. Apesar de sua aparência delicada, o vime é considerado um dos materiais mais fortes da natureza. O caule externo é extremamente duro e durável, possuindo um núcleo interno que é macio e poroso e não oco como o bambu. Ele não se quebra nem se racha, é muito flexível e ideal para fazer móveis, cestos e peças decorativas.

Seus caules longos e delgados crescem muito rápido e são rapidamente repostos após a colheita. Essa planta é a mais nova queridinha dos decoradores de interiores, que se valem da sua flexibilidade para pensar vários objetos de mobiliário e acessórios decorativos. Para falar da riqueza desse material, Correspondance Magazine® conversou com a designer de móveis e tecidos, Lulu Lytle que nos relatou apaixonadamente seu fascínio com essa planta tipicamente de regiões tropicais.

Você publicou recentemente um livro initulado “Rattan – um mundo de legância e charme”, conte-nos um pouco sobre a pesquisa que você fez para este livro.

– A pesquisa me levou por muitos caminhos, desde o uso do vime em casas históricas no final do século 19 e início do século 20 até sua utilização por alguns dos principais designers de móveis do século 20. Estava ansiosa para transmitir todas essas informações sobre o vime e sua história fascinante. Essa moda nasceu na verdade com as viagens para destinos exóticos e os primeiros aviões e navios à vapor usavam  cadeiras feitas de rattan. Na verdade, se observarmos atentamente, ele aparece no estilo de vida glamoroso de estrelas de cinema capturados por nomes como Slim Aarons e Horst P Horst, sem esquecer o rigor minimalista de um interior Bauhaus.

Qual foi o maior desafio em abordar esse assunto histórico?

– Durante minha pesquisa, encontrei muitas imagens extraordinárias de vime usadas em interiores históricos, como o The Colony Club em Nova York e a alfândega em Cingapura, além do restaurante de primeira classe do Titanic, intens que sabia que deveriam ser blocos para o capítulo sobre a história do vime. Existem tantas fotografias maravilhosas desse material usado em interiores mais contemporâneos e o maior desafio foi selecionar apenas 275 imagens do meu arquivo que contém milhares! Tive muito interesse em apresentar um equilíbrio de estilos, períodos, países e ambientes, o que significava omitir algumas das minhas imagens favoritas, o que achei particularmente difícil.

Qual foi a parte mais gratificante de tudo isso para você?

– Compreender melhor a planta do vime e como ela tem sido usada ao longo dos séculos, principalmente nas mãos de grandes designers como Jean Michel Frank, Clara Porset, Mongiardino e Danny Ho Fong.

Como surgiu o seu interesse pelo VIME?

– Meu interesse cobre todos os aspectos da mobília de vime, desde a própria planta até sua história fascinante e, acima de tudo, a atmosfera intangível que ele adiciona a qualquer espaço.

Qual é o seu fato favorito sobre esse material e por quê?

– Para mim, é sua extraordinária versatilidade como material. Acho fascinante que a palmeira de vime tenha sido usada para fazer veículos do final do século 19, como os famosos ‘all beach coaches’, bem como o assento do avião em que Charles Lindbergh cruzou o Atlântico em 1927 e também é usado hoje cirurgicamente na substituição de ossos humanos. Esse materiasl é edificante e convida a sonhar com outras possibilidades.

Se as pessoas pudessem tirar apenas um ponto importante sobre o livro “Rattan”, ou sobre o estilo que ele promove, em geral, o que você gostaria que fosse?

– O vime é um material democrático que pode ser usado de maneira barata em móveis muito simples e humildes ou de maneiras extravagantemente elaboradas em interiores palacianos! Além disso, é sustentável e pode ser colhido sem provocar desmatamento, o que o torna um material tão importante em um momento em que damos tanta ênfase ao fornecimento responsável de matérias primas.

EDIÇÃO DE TEXTO – Marilane Borges

IMAGEM – Cortesia da editora Rizzoli © Todos os direitos reservados

Você também pode gostar...

Para receber nossas matérias
Muito obrigado pela sua visita!
Correspondance Magazine®