O arquipélago de Chalayan

14 de janeiro de 2022

O museu Power Station of Design de Xangai organiza uma mega-exposição com mais de 130 peças do trabalho do estilista britânico, turco-cipriota Hussein Chalayan que exploram sua carreira, temas de raça, cultura e migração.

Essa mostra é rica em criatividade e extrapola o imaginário, confirmando que a fronteira entre o presente e o futuro é real e a moda, como parte integrante da sociedade, continua à influenciar em permanência essa expectativa sobre a arte de ser e parecer.

Intitulada “Hussein Chalayan: Arquipélago”, a exposição foi dividida em vários capítulos, ou ilhas fictícias de um arquipélago. Hussein Chalayan, nasceu em Chipre, formado em Estambul, depois em Londres, explora há anos a ideia de viagem e mudança, tanto identitária como geográfica.

Mais de 130 peças de Chalayan aparecem exibidas em cada uma das ilhas, acompanhadas de capítulos ficcionais explorando os principais temas que abrangem desenhos, criações e coleções de Chalayan.

O criador britânico de origem cipriota, ultrapassa as fronteiras da simples funcionalidade das roupas, criando uma releitura que interliga arquitetura, filosofia, antropologia, design, ciência e tecnologia em benefício da moda.

A exposição agrupa algumas peças das coleções  emblemáticas, que se misturam com peças de mobiliário e se transformam literalmente em roupas, compondo um verdadeiro espetáculo de formas.

Mais conhecido por seus desenhos que transcendem a moda e a arte. Suas coleções geralmente incluem roupas futuristas, incluindo seu desfile de outono-inverno de 2000, onde as roupas também serviram como móveis para casa. “A roupa como cobertura do corpo é outro tipo de fuga, um desapego de emoções e um lugar de contradições.

Chalayan deixa suas roupas oscilarem entre o bidimensional (alfaiataria, filmes) e o tridimensional (desfiles de moda) em um esforço para eles para superar seus usuários e tornar-se narradores desencarnados e sem nome.”

A exposição começa com duas obras da primeira e segunda coleções de Chalayan que foram feitas depois de se formar em 1993 na universidade Central Saint Martins de Londres. A partir daqui, roupas, objetos, imagens e filmes feitos entre 1993 e 2020 foram exibidos em plataformas monocromáticas e alcovas de formas e tamanhos variados.

“Através de seus projetos, as pessoas podem ter um forte sentimento por seu pensamento e crítica sobre as dicotomias de globalização e localismo, o teatro individual e o grande mundo, as visões mecanicistas e o mundo espiritual”, disse o museu.

Vestidos mecânicos da mostra de outono inverno 2007 de Chalayan intitulada Airborne foram exibidos dentro de uma unidade de exibição pintada de preto. Manequins estavam envoltos nas roupas iluminadas e cortadas a laser e posavam elegantemente como se estivessem decolando para o vôo.

“Uma vez ele afirmou que queria ‘criar um sentido de vida para as roupas’, que é também o que esperamos e imaginamos para as ilhas desta exposição”, disse o museu.

O nono capítulo da exposição apresentou peças da coleção Act to Form, que foi exibida durante a programação Outono-Inverno 2017 da London Fashion Week.

Manequins foram posicionados rasgando as paredes de papel da exposição vestindo roupas que foram rasgadas para revelar forros e entranhas cheios de glitter e confete. A coleção explorou e revisitou ideias em torno da civilização e identidade gregas.

Moldes positivos de bustos usados ​​para criar peças de vestuário, da coleção Primavera-Verão 2006 de Chalayan, intitulada Inertia, foram suspensos no teto, enquanto os moldes negativos foram embutidos nas paredes da exposição.

“Hussein Chalayan libera as roupas de suas restrições em termos de função, tendências e indústria da moda, permitindo que elas se expressem mais livremente e profusamente.”.

“O estilista discute repetidamente os tópicos de migração, viagem, separação e retorno, e eles se tornam mais complexos e imprevisíveis através da intervenção da tecnologia e do ciberespaço”, disse o museu.

“Transcendendo as divisões culturais, a raça, a religião, o corpo humano e a teoria genética; Chalayan tece o misticismo, mouro, teutônico, bem como culturas do leste asiático em suas criações.”

Em 2015, Chalayan desenhou figurinos elásticos e roupas de lantejoulas para artistas em sua primeira produção de dança autodirigida no teatro Sadler’s Wells. Em 2018, ele foi premiado com a London Design Medal pouco depois de seu show Act to Form no Sadler’s Wells de Londres em 2017, que marcou o retorno do designer à London Fashion Week depois de exibir em Paris por mais de uma década.

Reportagem Especial Correspondance Magazine®

IMAGEM – Cortesia do Power Station of Design © Todos os direitos reservados

 

 

Você também pode gostar...

Para receber nossas matérias
Muito obrigado pela sua visita!
Correspondance Magazine®