O poder do design

25 de março de 2021

Como equilibrar a necessidade de criatividade com o impacto ecológico da produção? Se apropriando de materiais naturais humildes para transformá-los em peças de design refinado, como faz o designer mexicano Fernando Laposse, residente em Londres. As criações do designer de produto treinado pela Central Saint Martins College of Art & Design de Londres, vão além de uma mesa ou uma lâmpada para arte, gastronomia, ciência, política, geografia, história, economia, alquimia e ativismo. Suas obras são o resultado de períodos de pesquisa que se desenvolvem em objetos onde os materiais, seus laços históricos e culturais com uma comunidade local e sua população que ocupa o centro das atenções.

Laposse trabalha com comunidades indígenas em seu México natal para criar oportunidades de emprego locais e abordar tópicos como crise ambiental, perda de biodiversidade, dissolução de comunidades, migração e os impactos negativos do comércio global na agricultura local e a cultura alimentar através de seus projetos. Para a Miami Art Week 2019, ele transformou o Miami Design District com uma coleção de preguiças peludas rosa feitas de fibras de agave e tingidas com cochonilha, um minúsculo inseto nativo da América Central. Feito à mão por uma comunidade de tecelões maias em Yucatán, as feras rosa penduradas em cordas, árvores e arcos. Seus materiais favoritos para trabalhar são as fibras vegetais como folhas de sisal, bucha e o milho.

O que você mais ama no seu trabalho?

– Meu trabalho é também meu hobby, então na maioria das vezes não parece trabalho. Uma das coisas que mais gosto é fazer coisas com minhas mãos além do fato que meu trabalho me permite interagir com pessoas de diversas origens, como clientes ricos e galeristas em Paris ou Londres até fazendeiros indígenas no México.

Como você começou a trabalhar com materiais esquecidos, como fibras vegetais ou resíduos de papel de seu escritório?

– Para mim, o trabalho de um designer é agregar valor. Essencialmente transformamos desejos para criarmos objetos bonitos aliados com histórias. Comecei a trabalhar com materiais e resíduos humildes porque é mais desafiador. Se você começar a projetar algo com materiais que já são luxuosos, como mármore ou latão, o trabalho estará feito pela metade. Acredito que assumir o desafio de usar materiais sem valor aparente e transformá-los em itens desejáveis ​​é a melhor forma de mostrar esse poder do design para encantar as pessoas e fazer com que elas ouçam sua história.

Que materiais utilizou para os produtos da Dos Casas Hotel & Spa e como eles se relacionam com a cultura?

– Usei o sisal, que é uma fibra extraída das folhas da planta agave. Eles foram coloridos de roxo com cochonilha, uma tinta natural feita com insetos esmagados que crescem em um cacto. A agave é uma das plantas mais importantes do nosso país, não só porque é muito emblemática da nossa paisagem, mas porque produz as nossas bebidas espirituosas nacionais – tequila e mezcal que eram até pouco tempo, operações familiares.

Nos últimos anos, a produção de tequila e mezcal disparou e o agave agora é plantado em escala industrial. Infelizmente, esses grandes produtores estão atrás apenas do caroço da planta e jogam as folhas fora. Há mais de três anos, tenho coletado os resíduos, as folhas de agave, da indústria do mezcal em Oaxaca e usado as fibras para fazer esculturas cabeludas, tecidos e tapeçarias. Estas criações foram apresentadas em lugares como o Miami Design District durante Art Basel e agora na decoração Dos Casas Hotel & Spa. Com este trabalho, quero mostrar que com um pouco de criatividade e curiosidade podemos transformar o “desperdício” em arte erudita.

Como você encontra e escolhe as comunidades indígenas com as quais trabalha em seus projetos?

– Trabalho principalmente com apenas uma comunidade e a conexão vem de um relacionamento pessoal. Quando era jovem meu pai contratou Delfino e Maria, um lindo casal que acabou trabalhando com minha família por 20 anos. Eles nos convidaram para seu vilarejo quando eu tinha seis anos e voltei todo verão por pelo menos uma década, construindo relacionamentos muito significativos lá. Voltei para esse vilarejo em 2015 depois de muitos anos e, àquela altura, Delfino havia se aposentado de seu emprego na cidade e se mudado para lá. Para minha surpresa, tudo tinha mudado. O vilarejo estava deserto. A maioria das pessoas que eu conhecia quando criança havia migrado para os Estados Unidos, suas terras estavam em estado de erosão, além do fato deles terem perdido suas sementes ancestrais de milho.

O que levou a comunidade a entrar nessa situação?  

– O principal culpado foi uma série de programas governamentais que os fizeram abandonar seus métodos tradicionais e os encorajou a plantar milho geneticamente modificado e usar produtos químicos para cultivá-lo. O resultado foi devastador, tanto para a terra quanto para a comunidade. Eles haviam quebrado aquele delicado equilíbrio natural que haviam entendido tão bem por milhares de anos. Foi um momento muito triste, mas também definidor. Delfino e eu decidimos agir juntos: ele organizou um grupo de moradores para começar a reflorestar e reparar os estragos em suas terras e eu desenvolvi um novo material chamado Totomoxtle – uma marchetaria feita com cascas de milho coloridas que podem ser usadas em móveis e painéis de parede.

O projeto ganhou alguns prêmios e começaram a chegar pedidos e comissões. Isso foi há seis anos e até hoje, reintroduzimos seis espécies de milho ancestral ameaçadas de extinção. Empregamos cerca de 20 pessoas em nossa oficina comunitária e plantamos cerca de 20.000 árvores e plantas do deserto para impedir a erosão. Não escolho comunidades que já tenham um artesanato, mas gosto de trabalhar com agricultores e criar técnicas radicalmente novas para capacitá-los, criar empregos localmente e capacitar uma nova geração de artesãos com uma visão de respeito pela natureza.

Recentemente você fez alguma descoberta cultural que gostaria de compartilhar com nossos leitores?

– Não tenho certeza se isso é uma descoberta, mais uma anedota. No outono passado, tivemos uma invasão de gafanhotos em um de nossos campos de milho, milhares deles apenas devorando tudo. Achei que íamos perder nossa colheita, mas Delfino e seus amigos ficaram muito animados com isso. Fomos para o campo às 5h da manhã, naquela época os gafanhotos estavam com frio e não conseguiam se mover, então começamos a pegá-los um por um. Por volta das 8h, o sol estava alto e os poucos que restavam começaram a pular, então não podíamos mais alcançá-los, mas tínhamos sacos cheios deles. Nenhum pesticida foi necessário; nós basicamente limpamos o campo.

Os gafanhotos eram cozidos com pimenta, alho, suco de limão e coentro. Eles estavam absolutamente deliciosos. Para mim, isso foi uma peculiaridade cultural no sentido de que eles pegaram uma situação que a maioria das pessoas com mentalidade ocidental consideraria uma calamidade e a transformaram em uma oportunidade – uma celebração culinária das generosidades da natureza que só pode vir com uma compreensão profunda do funcionamento do nosso mundo natural. Acho que temos muita sorte no México por ainda ter um grande número de pessoas que preservaram esse conhecimento tradicional. Temos muito que aprender com eles e muito como consertar tantos erros do nosso passado colonial injusto.

Reportagem Especial Correspondance Magazine®

IMAGEM – Cortesia do designer Fernando Laposse © Todos os direitos reservados

Você também pode gostar...

Para receber nossas matérias
Muito obrigado pela sua visita!
Correspondance Magazine®