Brancusi em preto e branco

11 de Dezembro de 2019

Sophie Negropontes, fundadora da Galeria Negropontes, em Paris, trabalhou sem descanço para lançar um livro em homenagem ao escultor Constantin Brancusi, que é uma verdadeira caixa preta, contendo imagens em preto e branco das obras do artista romeno. Essa primorosa publicação editada por Xavier Barral, conta com o texto original de Dan Haulica, publicado em 1967 em Bucareste e reproduzido na versão francesa e uma coletânia de fotografias de Dan Er. Grigorescu. É verdade que a definição de escultura havia sido literalmente gravada em pedra antes de Brancusi e, ainda assim, o mundo não estava preparado para o seu trabalho porque suas criações não se assemelhavam em nada com a escultura nos últimos cem anos. Artistas como Michelangelo haviam surpreendido o mundo com sua habilidade técnica, tentando recriar a forma humana o mais próximo possível. “Vi o anjo no mármore”, observou Michelangelo, “e o esculpi até libertá-lo.”

As esculturas de Brancusi eram menos angelicais e talvez parecessem menos impressionantes porque não mostravam as mesmas costeletas técnicas. Mas isso não quer dizer que Brancusi não tinha as habilidades necessárias, ele aprendeu  brevemente algumas técnicas com o escultor francês Auguste Rodin e, no início de sua carreira, foi elogiado por seus retratos da anatomia humana. As primeiras écorchés de Brancusi, ou estudos de musculatura, eram tão impressionantes que foram exibidas no Ateneu Romeno em 1903. A decisão do artista de criar esculturas não representacionais foi uma escolha artística deliberada e ousada. E, ao contrário de muitos outros escultores antes dele, Brancusi não fazer coleções. Ele modelou cada escultura individualmente com suas próprias mãos e ferramentas, o que significa que, apesar de trabalhar com o mesmo objeto, ele explorava o mesmo motivo de forma única.

“Uma escultura que fingiria reproduzir a natureza seria apenas uma cópia”, disse Brancusi. “Estou tentando obter um efeito espiritual.” Ele não viu a beleza da escultura como uma mentira na recreação da forma física, mas na revelação de algo anteriormente invisível. Ele acreditava que havia mais de uma maneira de representar a verdade nas coisas. Essa ideia é particularmente surpreendente por causa da cor e estriação do mármore, da forma do oval achatado e do acabamento altamente polido, as esculturas de Brancusi parecem quase inacessíveis, mudando de foco como um peixinho deslizando pela água.

Algumas das ideias favoritas exploradas por Brancusi eram de fato incrivelmente abstratas – por exemplo, sua Coluna Sem Fim (1918), com sua geometria irregular e angular, sugere a possibilidade de repetição infinita. Mas olhando pessoalmente a escultura, você tem a sensação de que Brancusi tornou o resumo mais imediatamente digerível. A iluminação torna possível ver as qualidades da superfície do carvalho e ver como as estrias são articuladas e deliberadas, usar o material e a superfície como uma forma expressiva era tão importante para Brancusi, mesmo ao tentar comunicar ideias intangíveis. Afinal, para o escultor, os detalhes sempre importavam.

EDIÇÃO DE TEXTO – Marilane Borges

IMAGEM – Cortesia da Galeria Negropontes com fotografias de Dan Er. Grigorescu © Todos os direitos reservados

Você também pode gostar...

Para receber nossas matérias
Muito obrigado pela sua visita!
Correspondance Magazine®