“O Segundo Sexo”

28 de março de 2022

Como o livro de Simone de Beauvoir, “O Segundo Sexo”, que data de 1949, é lido hoje por um(a) artista? E como isso afeta a forma como vemos a arte feita desde que o livro foi publicado?

A galeria Hauser & Wirth, em Zurique, traz uma exposição coletiva intitulada “Setenta anos do segundo sexo’ – Uma conversa entre Trabalhos e Palavras” (A Conversation between Works and Words’), que fica em cartaz até 21 de maio, para iniciar uma reflexão sobre o estudo marcante de Beauvoir com e através da arte contemporânea.

No alvorecer do septuagésimo aniversário da primeira tradução inglesa do livro (1953), esta exposição, com curadoria da Dra. Sophie Berrebi, reúne obras de Louise Bourgeois, Geta Brătescu, Eva Hesse, Roni Horn, Zoe Leonard, Lee Lozano, Annaïk Lou Pitteloud, Cindy Sherman e Lorna Simpson e que dialogam com as ideias de Simone de Beauvoir e seu legado.

“O Segundo Sexo” disseca as maneiras pelas quais, ao longo da história e das etapas da vida pessoal, a mulher é definida dentro do patriarcado, como outra. Repleto de existencialismo e fenomenologia, e com base em fontes de ficção, testemunhos literários, sociologia e psicanálise, o livro estabeleceu um diálogo com o movimento dos direitos civis, preparou o terreno para a segunda onda do feminismo e lançou as bases para teorizações de gênero.

Alguns aspectos são inevitavelmente datados, mas a exposição persuasiva e implacável de Beauvoir da alienação da mulher por meio de mecanismos de dominação social, econômica e psicológica permanece, em última análise, um formidável apelo à ação e transformação da sociedade.

“As obras exibidas nesta exposição, em alguns casos, apropriam-se de ideias de ‘O Segundo Sexo’, em outros, podem iluminá-los, confundi-los ou complicá-los ou sublinhar os pontos cegos do pensamento de Beauvoir. Em todos os casos, a conversa continua,” afirma a Dra. Sophie Berrebi, curadora da exposição.

Enquanto alguns artistas como Hesse e Bourgeois se referem diretamente a Simone de Beauvoir em seus escritos pessoais, “Setenta anos do segundo sexo, uma conversa entre obras e palavras” apresenta obras que estimulam diferentes interpretações das palavras de Beauvoir.

Essas interpretações são articuladas por meio de um engajamento direto com temas do “Segundo Sexo”, como alienação doméstica, identidade, patriarcado ou a luta entre imanência e transcendência.

A pintura de Eve Hesse ‘Sem título’ (c. 1960) faz parte de sua série muito particular ‘Spectres’ que Hesse não exibiu durante sua vida. Nas obras desta série, ela “se pinta”, trabalhando através da forma e do material em um ato de introspecção vulnerável e até dolorosa.

A escultura de Louise Bourgeois “Femme Maison” (1994), apresenta a figura de uma mulher com uma casa no lugar da cabeça e pode ser lida como uma declaração direta sobre a mulher sendo encaixotada nas atividades domésticas.

“Femme Maison” é composta de uma série de desenhos que funde a arquitetura e a figura feminina, surgiu em meados dos anos 40, um dos quais também está presente nesta exposição.

Os desenhos e pinturas de ferramentas de Lee Lozano, feitos em 1963 e 1964, podem ser entendidos como críticas ao decoro sexual e artístico em um momento em que o movimento feminista ainda não havia se unido e questionado ativamente.

Esses trabalhos também permitiram a Lozano explorar sua própria feminilidade e sua individualidade como artista em um momento em que os papéis de gênero estavam sendo radicalmente redefinidos.

A influência de longo alcance do livro significa que ele pode ser “lido” de várias maneiras. Uma delas é através da escrita de gerações subsequentes de estudiosos cujos trabalhos tomam ‘O Segundo Sexo’ como referência ou ponto de partida, como Linda Nochlin e Judith Butler. Quer se envolvam ou não diretamente com as palavras de Beauvoir, as obras reunidas nesta exposição falam de suas ideias e de seu legado intelectual.

Em ‘Vantage Point’ (1991), Lorna Simpson justapõe um retrato de verso com o de uma máscara facial, aludindo a uma herança africana sem declará-la. A figura impassível encapsula a oposição de Simpson à forma como o corpo negro e feminino tem sido historicamente representado como um sistema de signos biológicos regressivos. A figura virada para trás resiste à interpretação precisamente porque seu significado primário na verdade é a resistência das características físicas de gênero e raça.

Reportagem Especial Correspondance Magazine®

IMAGEM – Cortesia da galeria Hauser & Wirth © Simone de Beauvoir, photo 1959, Album/Alamy © First British edition of de Beauvoir’s ‘The Second Sex’ (London: Jonathan Cape, 1956) © Orlando Booksellers © Geta Brătescu, Autoportret în oglindă (Selbstbildnis im Spiegel), 2001 © The Estate of Geta Brătescu © Ștefan Altenburger © Louise Bourgeois, Femme Maison, 1994 © The Easton Foundation 2022, ProLitteris, Zurich © Lee Lozano, No title, 1963-64 © The Estate of Lee Lozano © Stefan Altenburger © Lorna Simpson, Vantage Point, 1991 © Lorna Simpson © Eva Hesse, No title, ca. 1960 © The Estate of Eva Hesse © Stefan Altenburger © Todos os direitos reservados

 

Você também pode gostar...

Para receber nossas matérias
Muito obrigado pela sua visita!
Correspondance Magazine®