Riley & Renoir

28 de fevereiro de 2022

Para sua instalação One-on-One, a célebre pintora britânica Bridget Riley (n. 1931) selecionou três de seus trabalhos – duas pinturas, Red Overture (2012) e Red with Red 1 (2007), e uma serigrafia, One Small Step ( 2009) que serão exibidas juntamente com a tela Le Déjeuner des canotiers (1880-81) de Pierre-Auguste Renoir.

Esta é a quinta iteração da série One-on-One da The Phillips Collection, que conida um artista para selecionar uma ou várias obras de um outro artista da coleção permanente do museu e justapô-las com uma ou várias obras de sua autoria.

Bridget Riley desenvolveu seu estilo característico de Op Art na década de 1960, criando padrões geométricos intrincados que produzem sensações óticas. Enquanto suas composições abstratas eram inicialmente em preto e branco, suas pinturas posteriores exploram a atividade perceptiva da cor. Riley reconheceu a influência do pós-impressionismo francês em seu estilo maduro, especialmente o uso da cor em obras de Renoir, Georges Seurat, Pierre Bonnard e Henri Matisse.

Riley viu pela primeira vez Le Déjeuner des canotiers em 1985 na Hayward Gallery em Londres e disse: “Renoir estava apaixonadamente interessado em todas as questões de cor. Fiquei encantada com seu uso do vermelho, uma das cores mais difíceis para um pintor, em virtude de sua força. Ele leva o vermelho em todas as modulações possíveis e em todos os tons de claro e escuro, usando-o como contraste ou harmonia.”

No outono de 1880, Renoir estava em Chatou e escreveu ao seu amigo Paul Bérard dizendo: “Estou fazendo uma pintura de velejadores que está me perturbando há muito tempo […] e esse exercício não é nada fácil mas, de vez em quando, você tem que tentar coisas além de suas forças”.

A obra foi adquirida pelo marchand Paul Durand-Ruel e exibida na sétima exposição dos impressionistas em 1881. Alguns anos depois, em 1923, o colecionador Duncan Phillips comprou a pintura dos filhos de Durand-Ruel. Para este amador que abriu o primeiro museu privado americano de arte moderna em Washington, Le Déjeuner des canotiers é “uma das maiores obras-primas do mundo”. E prevê com clarividência: “as pessoas virão milhares de quilômetros até nós para admirá-lo”.

Esta pintura marca um ponto de viragem na obra de Renoir e resume o seu trabalho ao longo de uma dezena de anos. Com um toque suave, ele compõe uma cena complexa, embora mais sintética do que o Bal du Moulin de la Galette e domina a luz ensolarada que traduz o calor desses almoços amigáveis, uma certa ideia de felicidade que hoje se tornou a imagem de uma época de ouro.

Reportagem Especial Correspondance Magazine®

IMAGEM – Cortesia The Phillips Collection © Todos os direitos reservados

Você também pode gostar...

Para receber nossas matérias
Muito obrigado pela sua visita!
Correspondance Magazine®