Leões de Ouro da Bienal de Veneza

28 de julho de 2022

O Leão de Ouro de melhor contribuição para a 59ª Exposição Internacional de Arte de La Biennale di Venezia – The Milk of Dreams (Giardini e Arsenale, 23 de a 27 de novembro de 2022), foi para a artista americana Simone Leigh por sua “abertura escultural monumental poderosamente persuasiva para o Arsenale”, um dos dois principais locais de exposição.

A artista apresentou seu trabalho, Brick House, um bronze de 16 pés de altura de uma mulher negra com trancinhas e um torso em forma de cúpula que combina as formas de uma saia e uma casa de barro.

A escultura foi vista pela primeira vez no High Line em Nova York em 2019. Simone Leigh também está representando os Estados Unidos no evento deste ano.

 


A Grã-Bretanha recebeu o Leão de Ouro de Melhor Participação Nacional na 59ª Exposição Internacional de Arte de La Biennale di Venezia – The Milk of Dreams (Giardini e Arsenale, 23 de a 27 de novembro de 2022).

Criado por Sonia Boyce, o pavilhão Feeling Her Way apresenta uma instalação sonora de cinco musicistas negras britânicas cantando a cappella. Sonia Boyce é a primeira mulher negra a representar a Grã-Bretanha no evento de Veneza. “Ao trabalhar em colaboração com outras mulheres negras, [Boyce] desvenda uma plenitude de histórias silenciadas”, disse o júri em comunicado.

Os jurados elogiaram Boyce por seu uso de “uma linguagem muito contemporânea” que permitia ao público juntar fragmentos e por levantar “questões importantes de ensaio em oposição à perfeita sintonia”.

Cecilia Vicuña (1948) é poetisa, artista, cineasta e ativista chilena e uma das vencedoras do Leão de Ouro pelo conjunto da vida da 59ª Exposição Internacional de Arte de La Biennale di Venezia – The Milk of Dreams (Giardini e Arsenale, 23 de a 27 de novembro de 2022).

Ela vive e trabalha em Nova York e Santiago. Seu trabalho aborda preocupações prementes do mundo moderno, incluindo destruição ecológica, direitos humanos e homogeneização cultural.

Nascida e criada em Santiago, ela foi exilada no início dos anos 1970 após o violento golpe militar contra o presidente Salvador Allende. Vicuña cunhou o termo “Arte Precario” em meados da década de 1960 no Chile, por suas obras precárias e quipus, como uma forma de “ouvir um silêncio antigo esperando para ser ouvido”. Seu trabalho é caracterizado pelo desejo de prestar homenagem à história e cultura indígena do Chile.

A artista alemã Katharina Fritsch é uma das vencedoras dos Leão de Ouro pelo conjunto da vida da 59ª Exposição Internacional de Arte de La Biennale di Venezia – The Milk of Dreams (Giardini e Arsenale, 23 de abril a 27 de 2022)

Katharina Fritsch (1956) vive e trabalha em Wuppertal e Düsseldorf, Alemanha. Desde 1979, ela trabalha em esculturas multi-escala e em tons arrojados, que ela diz que deveriam ser vistas como imagens tridimensionais.

Santos, ratos, maquetes e plantas arquitetônicas, conchas, cobras, guarda-chuvas, figuras humanas, o som de sapos coaxando e objetos da vida cotidiana povoam o mundo de Fritsch: um lugar onde o detalhamento realista e o acabamento imaterial desorientador dissolvem as bordas entre o comum e o estranho, causando uma sensação de surpresa e espanto.

Reportagem Especial Correspondance Magazine®

IMAGEM – Cortesia dos artistas e La Biennale di Venezia © Simone Leigh, Brick House, 2019, 59th International Art Exhibition, La Biennale di Venezia, The Milk of Dreams. Courtesy of La Biennale di Venezia © Roberto Marossi © Pavilion of Great Britain. Sonia Boyce, Feeling Her Way, 2022 © La Biennale di Venezia © Cecilia Vicuña, Boogie-Woogie Quipu, 2018. Unspun wool, bamboo, thread and wire. 144 x 114 x 133 inches; 365.8 x 289.6 x 337.8 cm © Matthew Herrmann © Katharina Fritsch, Hahn und Podest / Cock and Pedestal, 2013/19. Polyester, steel, paint. 147¾ × 78¾ × 78¾ inches; 375 × 200 × 200 cm. Courtesy of the artist, VG Bild-Kunst, Bonn and Matthew Marks Gallery, New York/Los Angeles © Ivo Faber © Todos os direitos reservados

Você também pode gostar...