Tapeçaria polonesa

24 de abril de 2022

“Re-encantar o mundo” é o manifesto de Małgorzata Mirga-Tas sobre a identidade e arte cigana, inspirando-se nos afrescos renascentistas do Palazzo Schifanoia em Ferrara. O projeto tenta expandir a iconosfera européia e a história da arte com representações da cultura cigana.

Os curadores do Pavilhão da Polônia, Wojciech Szymański e Joanna Warsza, dizem que “em referência ao título da Bienal deste ano Milk of Dreams, a artista criou um mundo mágico – uma espécie de abrigo temporário e aventureiro – um oásis que oferece esperança e descanso’, destinado a ajudar as pessoas a recuperar um senso de comunidade e reconstruir suas relações com os outros.

Para isso, o interior do Pavilhão Polonês foi construído como uma espécie de ‘palácio de imagens’, uma instalação de tecidos de grande formato. Sua estrutura, disposição, formas e motivos remetem aos famosos afrescos do calendário astrológico de Ferrara.

O simbolismo do interior do palácio, incluindo os signos do zodíaco, o sistema decanal, alegorias dos meses, ciclicidade e a migração de imagens ao longo dos tempos e continentes – entre Índia, Pérsia, Ásia Menor, Grécia antiga, Egito e Europa – são os pontos de referência visuais e ideológicos do novo trabalho do artista.

Fazendo referência a imagens de importância fundamental para a história e visualidade da arte européia, Małgorzata Mirga-Tas “apropria-se” e as inscreve em uma identidade polonês-romana específica e uma experiência histórica vernacular.

A exposição baseia-se nas ideias de transnacionalidade, ciclicidade e a evolução dos significados, propondo uma nova narrativa sobre a contínua migração cultural de imagens e influências mútuas entre as culturas cigana, polaca e européia. Ao construir sua própria versão do Palazzo renascentista dentro do Pavilhão Polonês, a artista constrói uma espécie de asilo temporário e casual, oferecendo aos espectadores esperança e descanso.

Concebida como um lugar potencial para estabelecer novas relações temporárias, um refúgio para além do tempo e do espaço, no qual – como no Palazzo Schifanoia, descrito pelo historiador de arte Aby Warburg, as pinturas coletadas pelo artista, quando você as ouve atentamente, revelam ‘sob os múltiplos traços de suas peregrinações de era em era e de nação em nação, que um coração ainda bate dentro deles.’

O portal de entrada do Pavilhão Polonês é coberto com uma decoração em tecido representando a Roda da Fortuna do famoso baralho de cartas de tarô Colleoni-Baglioni do século XV (após 1450). O advento das cartas de tarô na Europa no final do século XIV coincidiu com a chegada dos primeiros ciganos ao continente. O jogo de tarô foi especialmente favorecido na corte ducal de Ferrara, onde as cartas também eram usadas para adivinhação.

No entanto, somente no século XVIII as cartas se tornaram amplamente associadas à magia e ao ocultismo. Naquela época, a comunidade cigana também começou a usá-los para prever o futuro. A Roda da Fortuna na fachada do pavilhão abre e apresenta a exposição. A carta simboliza a ciclicidade, a mutabilidade, a transgressão, é tanto um começo e um fim.

A instalação é composta por doze partes, correspondentes aos meses do calendário. Cada painel é dividido em três níveis superior, médio e inferior. O resultado são três conjuntos de fotos, contornando as paredes, que contam uma história que encanta o mundo pela força do seu discurso poético e cultural.

Reportagem Especial Correspondance Magazine®

IMAGEM – Cortesia © La Biennale di Venezia © Vista da instalação de Małgorzata Mirga-Tas, Re-enchanting the World, no Pavilhão Polonês © Wystawa Exhibition © Daniel Rumiancew © Todos os direitos reservados

Você também pode gostar...

Para receber nossas matérias
Muito obrigado pela sua visita!
Correspondance Magazine®